Facebook/ Colônia de Pescadores de São Bernardo do Campo Orlando Feliciano
Facebook/ Colônia de Pescadores de São Bernardo do Campo Orlando Feliciano

Amostras de água da Billings são colhidas para descobrir a causa da morte de milhares de peixes

Cerca de 400 pessoas vivem de pesca na região; considerado um dos mais importantes reservatórios de água da região metropolitana de SP, represa completa 94 anos nesta quarta-feira

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2019 | 12h35
Atualizado 27 de março de 2019 | 11h47

SÃO PAULO - Responsável pelo fornecimento de água para mais de dois milhões de pessoas na Grande São Paulo, a represa Billings se deparou no último fim de semana com a morte de milhares de peixes que apareceram boiando na região de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de SP.

De acordo com a Colônia de Pescadores de São Bernardo do Campo Orlando Feliciano, a cena é de "cortar o coração e o culpado precisa ser punido". Pescadores ficaram assustados com a morte de peixes de diversas espécies.

"Parece um tapete branco, mas são peixes lambaris mortos", destacou a comunidade em um vídeo.

A Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo informou que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) coletou na terça-feira, 26, amostras da água do reservatório para analisar e descobrir o que provocou a morte dos peixes.

Em meio à tragédia, a represa comemora 94 anos de existência nesta quarta-feira, 27. A represa foi idealizada em 1925 pelo engenheiro Billings, funcionário da extinta concessionária de energia elétrica Light.

Atualmente, cerca de 400 pessoas vivem de pesca na região.

Além disso, o local também recebe visitantes nos fins de semana para passeio de barco e almoço.

A represa Billings é considerada como um dos principais reservatórios de água da região metropolitana de São Paulo. Peixes como tilápias, lambaris e traíras são encontrados na região.

A Prefeitura de São Bernardo informa, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Proteção Animal, que acompanhou de maneira fiscalizatória e colaborativa a vistoria da CETESB.

"Amostras de água e demais materiais foram retirados para análise e coleta de dados. Demais informações poderão ser fornecidas após perícia técnica destas amostras, que estão sendo feitas pela Universidade de São Caetano do Sul", reforçou o município.

A administração efetua fiscalização permanente na represa e em toda área de manancial, sendo a qualidade da água responsabilidade da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e gestão do espelho d'água da Empresa Metropolitana de Água e Energia (EMAE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.