América Central busca sobreviventes de tempestade; há 113 mortos

A Guatemala foi o país mais afetado com ao menos 92 mortos, 54 desaparecidos e mais de 80.000 desabrigados

HERBERT HERNÁNDEZ E DANIEL LECLAIR, REUTERS

31 Maio 2010 | 18h13

Equipes de resgate buscavam nesta segunda-feira, 31, sobreviventes em zonas rurais de difícil acesso na América Central, onde a tempestade tropical Agatha causou fortes chuvas no fim de semana, transbordando rios e provocando deslizamentos de terra que deixaram ao menos 113 mortos.

Na Guatemala, país mais afetado com ao menos 92 mortos, 54 desaparecidos e mais de 80.000 desabrigados, socorristas batalhavam em um terreno difícil, além da falta de ferramentas e máquinas para recuperar corpos, enterrados também entre pedras e troncos.

"Temos somente o convencional como pás, picareta, porque não contamos com um maquinário para poder fazer as escavações", disse à Reuters Mario Cruz, dos Bombeiros Voluntários, um dos principais corpos de resgate do país.

Guatemaltecos carregam dois dos 11 corpos da comunidade que padeceram vítimas de um deslizamento de terra na aldeia Santa Apolônia,  a 110 km da Cidade da Guatemala

 

No centro da Cidade da Guatemala, um deslizamento na interseção de ruas engoliu um prédio de três andares e uma casa. A cratera surgiu em decorrência das severas chuvas causadas pela tempestade tropical Agatha, apontaram autoridades locais.

 

Não são conhecidas as causas do escoamento que será estudado.  Moradores culpam o precário sistema de drenagem da cidade que não teria suportado a força da enxurrada. Em abril de 2007, outra cratera parecida na mesma área matou três pessoas.

 

Em Honduras morreram 12 pessoas --a maioria arrastada por correntes de rios--, enquanto El Salvador registrava 9 mortos e mais de 10.000 desabrigados.

"Estamos trabalhando sem descansar desde que começou a emergência (noite de sexta-feira), mas o principal obstáculo é chegar às aldeias porque os caminhos estão partidos", completou Cruz.

Agatha tocou o solo no sábado como a primeira tempestade tropical da temporada de furacões 2010 do Pacífico na fronteira entre a Guatemala e o México, mas à noite virou depressão tropical, causando cortes de energia, inundações e numerosos danos à infraestrutura.

Nesta segunda-feira, a tempestade praticamente havia se dissipado e o clima tendia a melhorar na região.

Mais conteúdo sobre:
CLIMATEMPESTADESOBREVIVENTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.