Ambientalistas protestam em sete capitais contra usinas nucleares

No Rio, a manifestação será em frente à sede da Eletrobras - operadora das usinas Angra 1 e Angra 2, em Angra dos Reis

Agência Brasil

23 de março de 2011 | 16h41

Representantes de movimentos sociais e ambientalistas contrários às usinas nucleares no Brasil protestam nesta quarta-feira, entre 18h e 22h, no Rio, em São Paulo, Salvador, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza. No Rio, a manifestação será em frente à sede da Eletrobras - operadora das usinas Angra 1 e Angra 2, em Angra dos Reis.

“O acidente radioativo na Usina Nuclear Fukushima, no Japão, mostra o que pode acontecer no Brasil. Não precisamos desse tipo de tecnologia, que produz resíduos que demoram milhares de anos para deixar de ser radioativo”, disse o representante da ONG EcoGreens, uma das organizadoras da manifestação, André Amaral.

Segundo o ambientalista, as usinas nucleares brasileiras são deficitárias. “Elas representam perigo e, ao mesmo tempo, trazem prejuízos para o bolso do contribuinte. A construção de Angra 3 é caríssima, com licenciamento ambiental incompleto. Além disso, o município de Angra foi excluído estrategicamente do Plano de Emergência, porque não há possibilidade de evacuação em caso de desastre.”

De acordo com André, o programa nuclear brasileiro não e transparente e não tem controle social. “O Brasil está na contramão dos demais países que estão desativando suas usinas e investindo em outros tipos de geração de energia.”

O Projeto de Lei de Energias Renováveis está parado no Congresso desde 2003, acrescentou André. O texto, informou, estabelece condições para as indústrias de energia limpa no Brasil. “Só assim, vamos reduzir as emissões de gases de efeito estufa e evitar desastres como os de Chernobyl e Fukushima”, afirmou André, citando as usinas eólicas e hídricas como fontes mais indicadas para geração de energia no país.

Nesta terça, moradores e ambientalistas percorreram o Angra dos Reis para protestar contra a construção da Usina Nuclear de Angra 3. O grupo também contestou o Plano de Emergência do município em caso de acidente nas usinas Angra 1 e 2. A Eletrobrás garante que o Plano de Emergência segue normas internacionais e que as usinas cumprem rígidos padrões de segurança.

O pescador José Carlos Pedrosa, que vive a cerca de 30 quilômetros (km) das usinas, disse não ser contra a instalação de usinas nucleares. Porém, considera fundamental a construção de estradas e vias eficazes de saída do município para serem usadas em caso de acidente. “Se acontecer um acidente hoje, muita gente se contaminaria.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.