Ambientalistas pedem que hotel de Dubai solte tubarão-baleia

Espécie ameaçada é colocada em risco por vida em cativeiro; fêmea foi resgatada depois de encalhar na ilha

AP,

09 Fevereiro 2009 | 15h43

Ambientalistas renovaram seu pedido para que um resort luxuoso em Dubai solte o tubarão-baleia que está em exposição no hotel, como parte da decoração marinha.   Os ativistas dizem que os gerentes do hotel Atlantis, de US$1,5 bilhão, estão colocando em risco a vida do animal, que está listado como uma espécie ameaçada, pois ele está sendo mantido em um aquário a céu aberto juntamente com outros 65 mil peixes, entre arraias e outras criaturas do mar.   "O risco para o animal em cativeiro é mais do que para o animal solto", disse Lisa Perry da Emirates Wildlife Society/World Wild Fund. Soltar a fêmea de quase quatro metros de comprimento "é a coisa certa a se fazer pelo Atlantis e pelo animal", afirmou.   Representantes do hotel, que ficam em uma ilha artificial em formato de palmeira, não foram encontrados para comentar a situação. Eles disseram que resgataram o tubarão-baleia em agosto, depois que ele nadou até as águas rasas da ilha.   Ativistas elogiaram o hotel por cuidar do animal até que ele recuperasse sua saúde, mas pediram que fosse liberado, pois mantê-lo como maneira de atrair turistas prejudicou suas chances de uma longa vida no mar aberto.   "Manter um tubarão-baleia em um ambiente artificial, onde ele não pode ser alimentar sozinho e tem uma área limitada de movimento, tem consequências fatais", disseram ativistas em uma carta ao hotel.   O tubarão-baleia - a maior espécie de peixe do mundo - está listada como espécie ameaçada da International Union for the Conservation of Nature and Natural Resources e é considerado inofensivo, podendo viver até os 100 anos em mar aberto.

Mais conteúdo sobre:
meio ambiente Dubai tubarão-baleia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.