Amanda Perobelli/Reuters - 28/07/21
Amanda Perobelli/Reuters - 28/07/21

Na contramão de discurso na COP, Amazônia registra recorde de desmate para o mês de outubro

Dado de órgão federal é divulgado durante a conferência ambiental em Glasgow, onde a gestão Bolsonaro tenta reverter a imagem de governo pouco alinhado com a agenda contra as mudanças climáticas

André Borges e Emílio Sant´anna, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2021 | 11h39
Atualizado 12 de novembro de 2021 | 18h23

BRASÍLIA E GLASGOW - Na contramão do discurso pró-ambiente adotado na Cúpula do Clima (COP-26), em Glasgow, o Brasil continua a registrar recordes em seus índices de desmatamento na Amazônia. Foi o que ocorreu no mês passado. Dados divulgados nesta sexta-feira, 12, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão do Ministério de Ciência e Tecnologia, apontam que a área de alertas de desmatamento de outubro foi a maior para o mês nos últimos sete anos. A conservação do bioma foi destaque na abertura da conferência na Escócia e é considerada chave para evitar uma catástrofe climática. 

Ao todo, foram 877 quilômetros quadrados de devastação da floresta na Amazônia, um aumento de 5% em relação a outubro de 2020 e o maior índice no mês em toda a série histórica do Deter”, sistema de alertas do Inpe, iniciado em 2016. O governo Jair Bolsonaro ainda não divulgou os dados consolidados do desmatamento neste ano – o sistema Prodes –, que também é medido pelo Inpe, de agosto de um ano a julho do ano seguinte. Tradicionalmente, essa informação é tornada pública no começo de novembro.

Na COP, o Brasil assinou acordos multilaterais contra o devastação da floesta, prometeu zerar o desmate ilegal até 2028 e reduzir as emissões de metano. Na prática, porém, os dados mostram uma realidade diferente. “As emissões acontecem no chão da floresta, não nas plenárias de Glasgow. E o chão da floresta está nos dizendo que este governo não tem a menor intenção de cumprir os compromissos que assinou na COP-26”, diz Marcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima.

Relatório divulgado por um grupo de cerca de 200 cientistas mostra que a Amazônia está perto de um ponto irreversível e perde, em ritmo acelerado, sua capacidade de regeneração. Os pesquisadores, que lançaram o documento na Cúpula do Clima, alertam que o bioma pode se tornar deserto se não foram tomadas medidas efetivas. 

“O dado do Deter é um lembrete de que o Brasil que circula pelos corredores e pelas salas da COP, em Glasgow, é o mesmo onde grileiros, madeireiros ilegais e garimpeiros têm licença do governo para destruir a floresta”, afirma ele. Os alertas de desmatamento em outubro se concentraram nos Estados do Pará 501 km² (57% do total), Amazonas 116 km² (13% do total) e Mato Grosso 105 km² (12% do total).

A diretora de Ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), Ane Alencar, chama a atenção para o fato de que o País seguiu com o mesmo patamar alto de desmatamento na Amazônia em outubro, apesar de haver mais chuvas do que era esperado na região, por causa do fenômeno La Niña. “Nas últimas duas semanas, vimos o governo brasileiro dizer na COP-26 que tem o desmatamento sob controle. Mas o Brasil real é o que os satélites mostram. Para cumprir as promessas feitas na Conferência do Clima, o governo precisa fazer mais do que fala. É possível mudar o quadro, mas é preciso agir imediatamente.”

Estimativas do Observatório do Clima apontam que a maior parte (46%) dos gases estufa emitidos pelo Brasil são provenientes do desmatamento. Os dados de 2020 mostram que o Brasil continua, desde 2010, a ampliar suas emissões. No ano passado, em plena pandemia, o aumento das emissões de gases de efeito estufa no Brasil foi de 9,5%; no restante do mundo, houve redução de cerca de 7%.

“Enquanto o governo federal tenta vender o Brasil como potência verde na COP, a verdade é que o desmatamento em outubro bateu mais um recorde e vem sendo impulsionado pela política antiambiental do presidente, do Ministério do Meio Ambiente, com apoio de parte do Congresso”, diz Rômulo Batista, porta-voz da campanha Amazônia do Greenpeace. “Assinar ou endossar os diferentes planos e acordos não muda a realidade do chão da floresta, o desmatamento e queimadas continuam fora de controle e a violência contra os povos indígenas e população tradicional só aumenta.”

Procurado, o governo Jair Bolsonaro não se manifestou sobre os dados.

Dados afetam negociações brasileiras na COP

Para Ana Toni, diretora-executiva do Instituto Clima e Sociedade (ICS), os dados podem ter efeito sobre as negociações da delegação brasileira na COP. Neste ano, a mudança de postura do Brasil é nítida, assumindo uma postura de cooperação e evitando causar entraves aos principais acordos. No entanto, números como os desta sexta-feira, desqualificam qualquer tipo de esforço, diz a diretora do ICS.

“Nenhum negociador aqui (em Glasgow) é bobo. Pelo contrário. Ninguém vai respeitar o Brasil se não controlar o desmatamento na Amazônia”, afirma. “Palavras não vão diminuir as emissões, acabar com o desmatamento sim.”

A repercussão desses dados foi a pior possível para a imagem do País. "Mantemos o mesmo patamar alto de desmatamento na Amazônia neste outubro, mesmo com mais chuvas do que era esperado por causa do fenômeno La Niña. Isso demonstra claramente que as ações atuais do governo não têm efeito prático no chão”, diz em nota Ane Alencar, diretora de Ciência do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia).

“Nas últimas duas semanas, vimos o governo brasileiro dizer na COP-26 que tem o desmatamento sob controle. Mas o Brasil real é o que os satélites mostram. Para cumprir as promessas feitas na Conferência do Clima, o governo precisa fazer mais do que fala. É possível mudar o quadro, mas é preciso agir imediatamente", afirma. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.