Amazônia em chamas

O CAF – banco de desenvolvimento da América Latina – realizará uma doação de US$ 500 mil ao Brasil, Bolívia e Paraguai para contribuir no atendimento das emergências ocasionadas pelos incêndios florestais

da Redação, O Estado de São Paulo

24 de agosto de 2019 | 18h09

Brasília. Por meio de uma correspondência dirigida aos presidentes do Brasil, Bolívia e Paraguai, o presidente-executivo do CAF –banco de desenvolvimento da América Latina –, Luis Carranza Ugarte, manifestou a solidariedade da instituição com os danos e reafirmou seu compromisso com a proteção da biodiversidade da Amazônia e Pantanal diante dos incêndios que queimaram milhares de hectares de florestas, cultivos e pastagens; e comunicou a entrega de uma doação imediata de US$ 500 mil aos países, destinada a ajuda humanitária e às atividades em curso para combater as chamas.  

Além da doação, o organismo multilateral manifestou sua vontade e disposição de criar uma linha de crédito emergencial para disponibilizar um financiamento de rápido acesso em favor das três nações para contribuir com a proteção da população e da biodiversidade, bem como a recuperação das zonas afetadas. 

"Expresso nossa solidariedade com os povos do Brasil, Bolívia e Paraguai diante das vítimas e sérios danos à biodiversidade de animais, florestas, plantações e pastagens afetadas pelos incêndios que atingiram a Amazônia e Pantanal.  Diante dessa situação, o CAF oferece seu apoio para que essa área tão importante do planeta se recupere o quanto antes", afirmou Luis Carranza Ugarte.    

Com esse aporte, o CAF espera contribuir com os esforços de ajuda humanitária de emergência aos governos do Brasil, Bolívia e Paraguai e reitera seu compromisso com o bem-estar dos habitantes e o desenvolvimento sustentável dos países membros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Elefanta Ramba chega ao Brasil e segue para 'aposentadoria' em santuário de elefantes

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.