Alemães inauguram rota marítima aberta pelo efeito estufa

A rota pelo Oceano Ártico corta 4.000 milhas náuticas da tradicional viajem de 11.000 milhas pelo Canal de Suez

Reuters,

21 Agosto 2009 | 18h20

Dois navios alemães partiram nesta sexta-feira, 21, para a primeira viagem em torno da costa setentrional da Rússia sem a ajuda de quebra-gelos, graças à mudança climática, que ajudou a abrir a passagem, disse a empresa responsável pelas embarcações.

 

link Temperatura dos oceanos bate recorde histórico

link Geleira da Antártida derrete quatro vezes mais rápido que há dez anos, diz estudo

link Greenpeace registra degelo de glaciar na Groenlândia

 

O presidente e CEO da Beluga Shipping GmbH, Niels Stolberg, disse que os navios Beluga Fraternity e Beluga Foresight deixaram o porto russo de Vladivostok na histórica jornada, com carga sul-coreana destinada á Holanda.

 

O derretimento do gelo no ártico abriu a chamada Passagem de Nordeste e permitiu o uso da rota pelos navios, disse Stolberg. A Beluga é a primeira empresa de fora da Rússia a obter autorização de Moscou para usar a passagem.

 

A rota pelo Oceano Ártico corta 4.000 milhas náuticas da tradicional viajem de 11.000 milhas pelo Canal de Suez, o que permite uma significativa economia de dinheiro e combustível, disse ele.

 

"Submarinos e quebra-gelos russos já haviam usado a Rota do Norte antes, mas ela não estava a Berta para tráfego comercial regular porque havia muitas áreas com gelo espesso", disse Stolberg.

 

"Foi apenas no verão passado que imagens de satélite revelaram que o gelo está derretendo e que um pequeno corredor havia sido aberto, o que permitira a navegação comercial pela Passagem de Nordeste".

 

Stolberg disse que Beluga estava ansiosa, já no ano passado, para enviar navios pela rota durante a janela de seis a oito semanas em agosto e setembro, quando as temperaturas na região sobem o bastante para abrir um corredor no gelo.

 

Mas eles não conseguiram obter as autorizações necessárias das autoridades russas a tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.