Albert Binger: ilhas correm perigo com mudanças climáticas

Só dois aeroportos no Caribe conseguirão operar caso o mar avance um metro ou mais

Karina Ninni/Especial para O Estado de S. Paulo,

13 Dezembro 2009 | 19h40

Negociador de Granada, país insular caribenho, Albert Binger é consultor científico da presidência da AOSIS (Aliança dos pequenos estados insulares). Em entrevista inédita concedida ao Estadão, Binger fala sobre as consequências das mudanças climáticas para as ilhas do Pacífico e do Caribe.

 

Sabemos que o aumento do nível do mar pode ter consequencias catastróficas para algumas ilhas. O que está acontecendo nas ilhas do Caribe e o que está acontecendo nas ilhas do Pacífico?

Em ilhas como Tuvalu e Tonga a água já está na casa das pessoas.

As ilhas do Pacífico são muito diferentes das ilhas do Caribe. Em Granada a

situação ainda não chegou a tanto.

 

Mas o sistema de transporte de vocês no Caribe estará seriamente ameaçado

caso o nível da água suba muito, não é verdade?

Ah, sim, definitivamente. Há apenas dois aeroportos no Caribe que escaparão do alagamento

caso tenhamos uma subida do nível do mar da ordem de 1 metro ou 1,5m. Nós temos de fazer

algo.

 

Vocês vêm monitorando o nível do mar? Há quanto tempo?

Temos, sim, um trabalho de monitoramento do mar e das marés. Sempre houve monitoramento,

mas nos últimos dez anos temos mais dados do que antes.

 

Você sabe quanto o mar já subiu em Granada?

 

Bem, não foi muito ainda, no Caribe. Alguns centímetros. O problema aumenta nas marés altas,

mas ainda é controlável.

 

Mas no Pacífico a situação está pior, não é?

 

Em Tuvalu algumas pessoas já tiveram de abandonar suas casas. Há água nas casas das

pessoas, sobretudo nas marés altas. Água nas ruas.

 

E como as pessoas estão se adaptando à subida do nível do mar?

 

Tuvalu e Tonga, assim como muitas ilhas do Pacífico, são atóis muito baixos e planos.

São mais vulneráveis. No Caribe, o impacto da mudança climática é diferente

do Pacífico. O problema não é propriamente o nível do mar.  No Caribe as ilhas são mais

altas. Lá, o problema está mais relacionado ao clima mesmo. Temos visto mais secas, mais alagamentos e furacões mais frequentes. Os estragos dos furacões vêm aumentando. Quando tivemos o Ivan, em 2004, a perda com relação ao PIB foi de 4%. Em 2007, perdemos mais de 10% do PIB com furacões. Está ficando cada dia pior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.