Ajuda contra efeito estufa tem ênfase excessiva em corte de CO2, diz estudo

Projetos para preparar populações que serão vítimas da mudança climática recebem pouco apoio

REUTERS, REUTERS

17 Novembro 2010 | 15h58

Uma parte excessiva dos US$ 30 bilhões prometidos como ajuda rápida para enfrentar os efeitos da mudança climática está dedicada a projetos de redução de emissões, e não a esforços para ajudar as populações vulneráveis a se adaptar ao clima extremo e à elevação do nível do mar, diz estudo.          

 

Sob o acordo de Copenhague, países doadores concordaram que o dinheiro destinado, de 2010 a 2012, para impulsionar os esforços para reduzir a mudança climática teria se der "equilibrado entre adaptação e mitigação".

 

 Veja mais              

 

 Fundo climático da ONU já existente poderá ter importância maior 

 

Mas apenas de 11% a 16% do dinheiro prometido até agora irá para esforços de adaptação, como a construção de muros para conter o oceano e a promoção de novas práticas agrícolas, informa o Instituto Internacional de ambiente e Desenvolvimento (IIED), de Londres.

 

Apenas US$ 3 bilhões dos US$ 30 bilhões prometidos para o período 2010 a 2012 foram alocados claramente para projetos de adaptação nos países mais pobres do mundo, e alguns dos compromissos tomaram a forma de empréstimos, não doações.

 

O relatório reconhece que a estimativa é "muito grosseira e talvez baixa", em parte por causa da falta de informações dos doadores.

 

"As garndes promessas para financiamento da adaptação feitas em Copenhague não estão sendo cumpridas", disse o pesquisador David Ciplet, um dos autores do relatório.

 

Projetos de mitigação têm conquistado mais verbas porque os esforços para reduzir emissões são geralmente maiores e mais bem estabelecidos, disse J. Timmons Roberts, diretor do Centro de Estudos Ambientais da Universidade Brown e outro autor do trabalho.

 

Em contraste, a maioria dos esforços de adaptação é de projetos pequenos, locais e novos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.