Ints Kalnins/Reuters - 17/12/2009
Ints Kalnins/Reuters - 17/12/2009

Ahmadinejad usa discurso na COP-15 para atacar os EUA

Presidente iraniano criticou o 'materialismo insaciável' do modelo capitalista das potências ocidentais

Efe,

17 Dezembro 2009 | 16h17

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, culpou nesta sexta-feira, 17, em Copenhague o "materialismo insaciável" do modelo capitalista das potências ocidentais pela mudança climática.

 

Veja também:

linkChina refuta monitoração externa de metas de redução de CO2

linkLula pede 'ambição' no corte de emissões em discurso na COP

linkNegociação de acordo é retomada 

linkEUA propõem US$100 bi/ano para fundo 'verde'

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial Entenda as negociações do novo acordo  

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Ahmadinejad discursou na etapa de alto nível da Cúpula da ONU sobre Mudança Climática, que reunirá até amanhã 119 chefes de Estado e de Governo, e aproveitou para reiterar suas críticas à política externa dos Estados Unidos. Segundo ele, o aquecimento global é resultado "das crenças egoístas e megalômanas" de "alguns países" que "buscam controlar a riqueza de recursos" de outros.

 

O presidente iraniano admitiu que uma das causas do aquecimento global é o consumo de petróleo - um dos principais recursos de seu país -, mas atribuiu a responsabilidade de seu uso ao "capitalismo" que, para sobreviver, precisa "usar combustível barato e destruir a natureza".

 

Ahmadinejad acusou Washington de tentar "dominar fontes energéticas" no exterior e justificou dizendo que apesar de contar só com 5% da população mundial, os EUA consomem 25% do petróleo global, 18% da madeira e 14% da água.

 

O líder iraniano assegurou que Washington, ao não fazer uma "proposta vinculativa" em escala global, "frustra a vontade mundial" de manter as emissões poluentes "sob controle".

 

Para o presidente iraniano, a "única solução" para o aquecimento global é que a humanidade "retorne ao humanitarismo e aos valores divinos" a fim de "deter a degradação meio ambiental". "A mudança climática deixa a cada ano mil vezes mais vítimas que os ataques terroristas", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Ira Copenhague clima ONU cupula COP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.