Reginaldo Pupo/Estadão
Reginaldo Pupo/Estadão

Água de rios e de praias piora no Estado de São Paulo

Relatório da Cetesb mostra piora da qualidade da água para abastecimento e redução de praias próprias para banho no ano todo

O Estado de S. Paulo

07 Maio 2014 | 15h40

Atualizada em 20h47

SÃO PAULO - As praias paulistas ficaram mais impróprias para banho no ano passado. Somente 15% delas estiveram em condições adequadas para um mergulho ao longo de todo o ano, contra 35% em 2012 – uma redução de 57%.

O dado consta do documento Qualidade das Praias Litorâneas no Estado de São Paulo 2013, divulgado nesta quarta-feira, 7, pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). A informação tinha sido antecipada pelo Estado em dezembro do ano passado.

No litoral norte, a piora foi ainda mais acentuada. Nos quatro municípios da região (São Sebastião, Ilhabela, Caraguatatuba e Ubatuba), a porcentagem de praias próprias durante o ano inteiro caiu de 54% para 22%. As ótimas passaram de 18% para 7% e as ruins ou péssimas subiram de 9% para 25%. Na Baixada Santista, o número de praias consideradas péssimas também subiu – de 13% para 30%, havendo piora em todos os municípios, com exceção de São Vicente.

Karla Pinto, técnica da Cetesb do setor de Águas Litorâneas, atribuiu a piora das condições de balneabilidade a chuvas intensas nos meses de março, abril, junho, novembro e dezembro. Segundo o relatório, esses meses tiveram, no ano passado, taxas de precipitação maiores do que a média.

Karla explica que as chuvas intensas ajudaram a piorar um cenário de saneamento básico insuficiente, em especial no litoral norte, com despejos irregulares de esgoto e pouco tratamento do que é coletado. "Chuvas intensas aumentam a vazão daqueles cursos d’água contaminados com esgoto sem tratamento que vemos na areia. Elas lavam o solo e levam tudo para o mar." O cenário também piora com o aumento da população flutuante, que gera mais esgoto. "Em alguns momentos do ano, a população da cidade de Praia Grande, por exemplo, multiplica cinco vezes."

Saúde. O relatório traz um alerta para que a população não entre nunca nas praias consideradas impróprias. E evite entrar no mar 24 horas após chuvas intensas. "Quando abre o sol após uma tempestade, as pessoas tendem a correr para a praia, mas é o pior momento, porque é quando o esgoto ainda não dispersou", afirma Karla.

A Cetesb lembra que há o risco de contrair doenças variadas que podem ir desde leves gastroenterites (vômito e diarreia) – os casos mais comuns –, a hepatite A, cólera e febre tifoide. Há o perigo também de pegar dermatoses, conjuntivite, otite e doenças respiratórias.

Questionada se a piora da balneabilidade se traduziu em um aumento dessas doenças, Karla diz que a Cetesb não tem informações sobre isso. "A verdade é que, diante de uma diarreia leve, ninguém costuma procurar o sistema de saúde. E quando procura, normalmente não se faz um exame para descobrir o patógeno. A gente não sabe."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.