Agências meteorológicas vão refinar dados sobre o clima

O Met Office do Reino Unido propôs que cientistas de todo o mundo realizem o "grande desafio"

Associated Press,

24 Fevereiro 2010 | 17h58

Agências meteorológicas do mundo concordaram em obter dados de temperatura mais precisos para melhorar a ciência da mudança climática, disseram autoridades nesta quarta-feira, 24, enquanto o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pedia a ministro de Meio Ambiente que combatessem os esforços dos chamados "céticos do clima" para descarrilar um acordo global sobre a mudança climática.

 

Embaixador chinês diz que divisões ameaçam conversas climáticas

Renúncia de De Boer representa revés para acordo do clima

Falhas de medição invalidam tese do aquecimento global, diz cientista

ONU defende painel do clima de erro sobre degelo no Himalaia

 

 

O Met Office do Reino Unido propôs que cientistas de todo o mundo realizem o "grande desafio" de medir as temperaturas da superfície terrestre várias vezes ao dia, e permitam a análise independente dos dados - uma manobra que atenderia a algumas exigências dos céticos, que cobram acesso aos números brutos usados nas previsões da mudança climática.

 

 

"Esse esforço vai garantir que as bases de dados são completamente robustas e que todos os métodos são transparentes", disse o Met Office. A agência acrescentou que "nenhuma análise do tipo solapa as bases de dados independentes que refletem, todas, a tendência de aquecimento".

 

A proposta foi aprovada, em princípio, por cerca de 150 delegados reunidos sob os auspícios da Organização Meteorológica Mundial (OMM) na Turquia. Ela surge depois do roubo de e-mails de uma universidade britânica e de diversos erros apontados num relatório de 2007 do Painel Intergovernamental para a Mudança Climática (IPCC) terem minado a confiança do público nos dados sobre a mudança climática.

 

Críticos acusam cientistas de manipular dados e suprimir interpretações contrárias à tese do aquecimento global causado por atividade humana. Essas alegações foram rejeitadas por cientistas e pelo IPCC.

 

A despeito disso, o Met Office reconheceu que as medições atuais são "fundamentalmente inadequadas para responder às preocupações do século 21, por exemplo como os extremos climáticos estão mudando e quais as decisões de adaptação e mitigação que devem ser tomadas".

 

Ban Ki-moon pediu aos ministro de Meio Ambiente reunidos em Bali, na Indonésia, para que rejeitem as tentativas de sabotar o estabelecimento de um acordo sobre a mudança climática, afirmando que o aquecimento global é um "perigo real e imediato".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.