África usará imagens de parceria Brasil-China

Satélites lançados em programa binacional reforçam status do Inpe de fornecedor mundial de imagens espaciais

Herton Escobar, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2010 | 13h10

Além de treinar técnicos para monitorar florestas em outros países, o Inpe quer fortalecer sua posição como fornecedor internacional de imagens de satélite. Três antenas na África já estão habilitadas para receber dados do satélite sino-brasileiro CBERS-3, localizadas nas Ilhas Canárias, no Egito e na África do Sul. Juntas, elas cobrem a maior parte do continente africano e do Oriente Médio, além de Portugal e Espanha.

 

O CBERS-3 fará imagens de toda a Terra, continuamente. Mas só quem tiver uma antena receptora poderá obter imagens da própria região. Isso porque os dados precisam ser “baixados” pouco depois de registrados, para não sobrecarregar a memória do satélite. Caso contrário, são apagados automaticamente.

 

A China tem três antenas e o Brasil, uma, em Cuiabá (MT), com alcance suficiente para baixar imagens de quase toda a América do Sul. A construção de uma segunda antena, em Boa Vista (RR), é proposta para cobrir a parte norte do continente, incluindo Venezuela e Colômbia.

 

“Estamos conversando com o Ministério das Relações Exteriores para conseguir recursos para o projeto”, diz o chefe do Centro Regional da Amazônia do Inpe em Belém, Claudio Almeida. “Ao mesmo tempo, iniciamos conversas com o México, que também tem uma antena capaz de receber dados CBERS, com a qual poderemos cobrir toda a América Central e boa parte da América do Norte.”

 

Outras duas parcerias também estão sendo negociadas na África: no Gabão e no Quênia.

O CBERS-3, apesar do nome, será o quarto satélite produzido em parceria com a China desde 1988. O último foi o CBERS-2B, que parou de funcionar em maio e já forneceu imagens para a África. Desde 2004, o Brasil adota uma política de distribuição gratuita de seus dados CBERS. Mais de 1,3 milhão de imagens dos três satélites da série já foram distribuídas nesses seis anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.