Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Administradora baixou sua pegada ecológica

Um pouco de culpa por usar o carro a administradora de empresas Michelle Padovese de Arruda já tinha. Mas foi o seu mestrado em Ciências Ambientais que a fez adotar de uma vez por todas um estilo de vida mais sustentável.

Karina Ninni, estadao.com.br

22 Dezembro 2010 | 00h06

 

“Quando trabalhava no mercado financeiro, morria de culpa de pegar o carro para ir, sozinha, de casa para a empresa. Por isso, eu vivia oferecendo carona para os colegas. Eu já havia atuado como voluntária em uma ONG, mas sempre achava que podia fazer mais.

 

Depois que comecei meu mestrado no Procam (Programa de Ciências Ambientais da USP), percebi que tinha atitudes corretas e incorretas. Sempre evitei usar sacolas plásticas e fazia compras com ecobag. Por outro lado, não tinha noção dos impactos que o meu consumo poderia gerar e não sabia que determinados materiais faziam tão mal ao meio ambiente.

 

Há uns cinco anos fiz pela primeira vez o cálculo da minha pegada ambiental e o resultado deu acima do recomendado. Bateu uma culpa: tinha tanta coisa que dava para melhorar!

 

Recentemente, fiz novamente e já estou na faixa recomendada, mas foi por um triz. Mesmo assim, para ficar na linha divisória entre o bom e o ruim, já fiz um tremendo esforço.

 

No meu caso, a culpa foi mesmo uma força motriz importante. Mas não estou falando dessa culpa cristã, católica. E sim da culpa que te faz refletir para melhorar.”

Mais conteúdo sobre:
pegada ecológicadirigircarona

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.