Acordo sobre clima em 2009 perde força em encontro da ONU

Recessão e a mudança de governo nos Estados Unidos tornam cumprimento de metas para 2009 improváveis

GERARD WYNN E ALISTER DOYLE, REUTERS

08 Dezembro 2008 | 13h52

A recessão e a mudança de governo nos Estados Unidos tornam improvável que o mundo cumpra em 2009 a meta de assinar um acordo completamente novo para combater o aquecimento global, disseram delegados em um encontro climático da Organização das Nações Unidas (ONU).    Veja também:  UE enfraquece luta contra aquecimento, dizem ambientalistasEstudo diz que mercado de gases estufa cresceu 41% em 2008Mudança climática pode elevar número de refugiados, diz ONUAcordo para vítimas do clima pode ser necessário, diz WWFPlano federal prevê queda de 70% no desmatamento até 2018Entenda a reunião sobre clima da ONU na Polônia Quiz: você tem uma vida sustentável?  Evolução das emissões de carbono   Acompanhe a reunião de Poznan Andrei Neto fala sobre a reunião de Poznan  Página oficial da conferência  Há um ano, 190 países decidiram trabalhar pela aprovação de um acordo climático abrangente no final de 2009, em um encontro em Copenhague. Mas negociadores e analistas que compareceram à uma reunião prévia em Poznan, Polônia, entre 1° e 12 de dezembro, dizem que o objetivo parece difícil de ser alcançado. O mais longe que pode ser alcançado no ano que vem, para muitos, são os princípios para um pacto, ainda que alguns digam que isso seja muito pessimista. "Uma meta adequada e um grande feito (em Copenhague) seria chegar a um acordo sobre os princípios a serem negociados, e não a um texto", disse Robert Stavins, professor de administração pública da Universidade de Harvard. Com a recessão, a emissão de gases estufa pelos países desenvolvidos deve cair em cerca de 2 por cento no próximo ano, tornando outras ações menos urgentes, disse. O prazo de 2009 foi estabelecido para assegurar que as novas metas de redução de emissão de gases possam ser ratificadas em todo o mundo antes da expiração das metas do Protocolo de Kyoto, em 2012. Yvo de Boer, autoridade da ONU sobre mudança climática, insistiu que os países ricos deveriam concordar em 2009 com cortes na emissão de gases até 2020. Mas ele também afirmou que qualquer acordo deveria ser "ratificável", deixando muitas partes importantes para depois. Uma meta em 2009 teria que incluir o financiamento para ajudar os países em desenvolvimento a trabalhar mais contra o aquecimento global e precisaria tornar clara a estrutura institucional necessária, disse de Boer. Obama Todos os lados concordam que o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, vai querer evitar os erros de Bill Clinton sobre o Protocolo de Kyoto. O ex-presidente democrata aceitou o acordo em 1997 para reduzir a emissão em 7% até 2012, mas nunca mandou o texto para ratificação no Senado. "Não serve para nós chegar a um acordo internacionalmente e esperar que nosso Congresso aprove isso", disse Harlan Wilson, negociador-chefe dos Estados Unidos. Alguns especialistas dizem que dezembro de 2009 será cedo demais para que o Senado norte-americano aprove qualquer lei. Países em desenvolvimento como China e Índia querem ver os países desenvolvidos tomarem atitudes drásticas antes de começar a limitar suas próprias emissões de gases estufa. Nesta segunda-feira, em Poznan, 140 companhias de grande porte como Ebay, Sun Microsystems, BP e Unilever e grandes investidores pediram uma "ação decisiva" contra as mudanças climáticas.

Mais conteúdo sobre:
Poznanaquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.