Eric Gay/AP
Eric Gay/AP

Ações da BP caem ao menor nível em 7 meses em decorrência do vazamento

Títulos da companhia apresentam queda acumulada de 15% desde a explosão da plataforma

Efe

04 Maio 2010 | 10h35

LONDRES - As ações da empresa British Petroleum (BP) caíram nesta terça-feira, 4, ao nível mais baixo em sete meses diante da preocupação dos investidores com os custos da limpeza do vazamento de petróleo na plataforma da BP que explodiu em 20 de abril e afundou no Golfo do México, causando uma tragédia ambiental nas águas locais.

 

Veja também:

linkVazamento de óleo no Golfo custa mais de US$ 6 mi por dia, diz BP

linkContra mancha de petróleo, Estados pedem reforço

linkBP assume fatura do acidente e promete compensação rápida

 

Os títulos da BP registravam queda nesta manhã de 4,3%, situando-se em 550 pence (centavos de libra). Por isso, a queda acumulada da explosão na plataforma é de 15%.

 

A companhia petrolífera indicou que assumirá os custos da operação de limpeza do vazamento de óleo. A BP estima que o custo de conter o vazamento do poço é de 3,9 milhões de libras (R$ 10,03 milhões) diários, mas os especialistas calculam que o custo total de limpeza pode chegar a bilhões de dólares.

 

A empresa informou nesta terça-feira que começou a trabalhar na perfuração de um poço para conter e isolar o vazamento de petróleo após a explosão ocorrida em uma plataforma da BP. Em comunicado divulgado em Londres, a BP assinala que a perfuração começou às 17h (de Brasília) do último domingo e seu objetivo é interceptar o atual poço onde aconteceu o derramamento, a cerca de 3.965 metros de profundidade, e fechá-lo.

 

"Este é outro importante passo em nosso trabalho para deter permanentemente a perda de petróleo do poço", assinalou o executivo-chefe da BP, Tony Hayward.

 

O Executivo dos Estados Unidos iniciou uma investigação sobre as causas da explosão e afundamento da plataforma petrolífera Deepwater Horizon, propriedade da Transocean com concessão da BP, no último 20 de abril, que deixou 11 mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.