Ação apressada contra vazamento pode ter agravado crise no Golfo do México

Deixar o óleo dispersar-se naturalmente poderia ter agredido menos o meio ambiente

Reuters

28 Junho 2010 | 18h50

Poderia ter sido melhor para o meio ambiente se a reação ao vazamento de petróleo no Golfo do México tivesse se limitado ao esforço para manter o petróleo afastado do litoral e permitido que o poluente se dispersasse naturalmente em alto mar, disseram cientistas britânicos.

 

Obama e Cameron concordam em BP cumprir obrigações

Mississippi identifica onda de petróleo na costa

 

Biólogos marinhos e ambientalistas afirmam ser possível que a operação agressiva de limpeza, na qual o petróleo foi queimado e produtos químicos dispersantes, jogados na água, tenha causado mais dano ambiental que o petróleo em si.

 

Experiências anteriores sugerem que conter o óleo afastado da costa, mas de resto deixá-lo em paz para que se disperse e evapore naturalmente pode ser melhor, no longo prazo, mas que se trata de uma opção politicamente inviável, disseram.

 

"Um dos problemas desse vazamento é que ele saiu da arena ambiental para a arena política e econômica, então se você pergunta o quanto ele é ruim, isso depende da perspectiva que você tem", disse Martin Preston, um especialista em poluição marinha da Universidade de Liverpool.

 

"Economicamente, o impacto claramente é muito grande, mas ambientalmente, ainda não há conclusão. Uma das tensões entre meio ambiente e política é que os políticos não podem parecer parados, mesmo se ficar parado seja, às vezes, a melhor opção".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.