A cozinha do futuro tem horta

Donas de casa do Reino Unido e da Irlanda querem espaço para cultivar comida saudável nas cozinhas

The Guardian

16 de agosto de 2010 | 15h51

Uma nova pesquisa feita pela empresa Ikea sobre o que os consumidores esperam de sua 'cozinha dos sonhos' daqui a 30 anos indicam um desejo forte de "retorno à natureza". Segundo a pesquisa, a cozinha continuará sendo o eixo central no qual se reúne a família. Mas as donas de casa no Reino Unido e na Irlanda dizem também que querem uma cozinha eficiente energeticamente, e com um espaço verde - que pode se fundir ao jardim da casa - permitindo o cultivo de espécies comestíveis dentro e fora da residência. Os consumidores também dizem que querem material reciclado e reutililzado como padrão em seus produtos de cozinha.

 

 

Um relatório baseado na pesquisa explora os fatores que irão potencializar a transformação das cozinhas. "A cozinha vai simbolizar o movimento em busca de um estilo de vida sustentável e será uma medida de como as passoas se adaptam às mudanças na sociedade", diz o documento.

 

 

O levantamento, realizado em junho, usou uma amostragem de 1.895 pessoas no Reino Unido e mais 751 na República da Irlanda. Ele prevê uma movimento gradual e sustentável rumo ao consumo consciente.

 

Os consumidores disseram que querem uma cozinha que estimule a produção caseira de orgânicos, de comida natural, e que promova o movimento "cultive você mesmo" em residências e comunidades.

 

Jardins e pequenos terrenos irão se tornar uma extensão da cozinha, e isso deve ser um padrão nos próximos anos, diz o relatório. Conceitos como o da Hyundai Kitchen Nano Garden - uma geladeira desenhada para cultivar comida, ao invés de servir apenas para guardá-la - serão comuns. Com o uso de produtos hidropômicos e suprimentos controlados de água e nutrientes, cultivar sua própria comida será mais usual nas casas na medida em que a pressão por espaço significar que poucas pessoas poderão se dar o luxo de ter um quintal.

 

Jardins suspensos também não se restringirão mais aos telhados verdes, mas crescerão verticalmente ao longo das paredes.

 

A alimentação saudável será um item importante para os consumidores, dizem os autores do relatório. "A escassez está na agenda do consumidor e isso transparece nos sonhos com a cozinha do futuro. Escassez de água e de terras, mudanças climáticas e urbanização farão com que os estilos de vida pautados pelo excesso deixem de existir, sendo substituídos por uma visão coletiva sobre a vida e seus meios", finaliza o documento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.