80% das pessoas mudariam hábitos para evitar aquecimento

Pesquisa mostra que indivíduos aceitam sacrifícios pessoais para combater o efeito estufa

BBC Brasil, BBC

05 de novembro de 2007 | 06h55

A maior parte da população mundial está pronta para fazer sacrifícios pessoais - inclusive pagar contas mais altas de energia - para ajudar a combater o aquecimento global, segundo uma pesquisa encomendada pelo Serviço Mundial da BBC, que ouviu 22 mil pessoas em 21 países, entre eles o Brasil.  Veja também:Brasileiros se preocupam com clima, mas rejeitam impostos Quatro em cada cinco pessoas nos países pesquisados afirmaram estar dispostas a fazer "mudanças no estilo de vida e comportamento" para reduzir as emissões dos gases causadores do efeito estufa, inclusive em países como China e EUA, os dois maiores emissores de CO2 no mundo. A maioria dos entrevistados (61%) afirma que será necessário aumentar o custo de energia para encorajar a conservação e reduzir as emissões de gás carbônico. No Brasil, este percentual chega a 64%. A pesquisa indicou que três em cada quatro dos entrevistados apóiam o aumento nos impostos sobre combustíveis, desde que o dinheiro gerado com a medida seja usado especificamente para promover eficiência energética ou para desenvolver combustíveis limpos. Mudanças no estilo de vida para combater as mudanças climáticas também foram bem aceitas: 79% dos americanos concordam que será necessário mudar o estilo de vida no país e 65% afirmam que o custo de energia terá que aumentar. Mas 19% acham que as mudanças não são necessárias. A pesquisa está sendo publicada para coincidir com a semana do Serviço Mundial sobre mudanças climáticas. A BBC Brasil vai trazer um blog sobre como as mudanças climáticas estão afetando a vida em Bangladesh, um dos países mais populosos do mundo. A pesquisa foi realizada pela empresa GlobeScan junto com o Programa Internacional de Atitudes Políticas (PIPA, na sigla em inglês), da Universidade de Maryland. "As pessoas em todo o mundo reconhecem que para combater as mudanças climáticas é preciso que haja uma mudança de comportamento. E que para incentivar essas mudanças será necessário um aumento do custo da energia que contribui para as mudanças climáticas", disse o diretor da PIPA, Steven Kull. "Enquanto poucos cidadãos apóiam o aumento de impostos, a pesquisa sugere que líderes nacionais poderiam ser bem sucedidos ao introduzir impostos de carbono sobre a energia. O requerimento chave, no entanto, é que os cidadãos confiem que esses impostos serão investidos no combate às mudanças climáticas aumentando a eficiência energética e desenvolvendo combustíveis mais limpos", afirmou o presidente da GlobeScan, Doug Miller. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.