40% pagariam mais por item ecologicamente correto

Proporção foi revelada em pesquisa do Ibope

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo

05 Junho 2015 | 03h00

Quatro em cada dez brasileiros estariam dispostos a pagar mais para adquirir um produto fabricado de maneira ambientalmente correta. A proporção foi revelada em pesquisa do Ibope, que analisou os conhecimentos da população sobre assuntos relativos à preservação do ambiente e, em especial, a respeito de créditos de carbono.

A predisposição identificada no estudo foi vista com bons olhos pelos pesquisadores do instituto. Para a mesma pergunta, outros 46% responderam que estariam dispostos a arcar com um custo maior dependendo de quanto seria acrescido; 10% disseram que não estariam dispostos a pagar a mais. A tendência se alinha com o debate central do Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado hoje, e que tem como tema o consumo sustentável da população.

A pesquisa ouviu 502 pessoas das cinco regiões do País, em questionário pela internet, entre os dias 23 de fevereiro e 6 de março - tem margem de erro de 4 pontos porcentuais. O objetivo era identificar e quantificar o apelo da ideia de compra de imóveis e outros bens duráveis e de consumo de empresas que façam compensação financeira sobre a emissão de dióxido de carbono relativa ao processo de fabricação.

A redução de uma tonelada na emissão de dióxido de carbono representa um crédito, que pode ser negociado em um mercado internacional a partir de projetos certificados. 

A disposição do consumidor em pagar a mais pelo produto “limpo”, no entanto, esbarra no desconhecimento. A pesquisa apontou que 51% dos entrevistados conhecem pouco ou não conhecem o termo e 40% conhecem mais ou menos. Apesar da propensão pelo pagamento para a realização dos processos limpos, em outra pergunta 43% responderam que raramente observam a forma como o produto foi fabricado; outros 48% disseram geralmente observar.

Mais conteúdo sobre:
Planeta sustentabilidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.