Matthew Abbott / The New York Times
Matthew Abbott / The New York Times

2019 foi o segundo ano mais quente de todos os tempos e haverá clima mais extremo à frente, diz Nasa

Segundo a agência, a elevação de temperatura poderá provocar eventos climáticos extremos, como os incêndios florestais australianos registrados neste ano

Reuters, Reuters

15 de janeiro de 2020 | 13h50

GENEBRA - O ano passado foi o segundo mais quente desde que se iniciou o registro de temperatura. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 15, pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e a Nasa. Os órgãos alertaram que o o calor provavelmente levará a eventos climáticos mais extremos, como os incêndios florestais na Austrália em 2020.

Apenas o ano de 2016 foi mais quente que 2019, segundo os registros. O levantamento mostrou ainda que a temperatura global média no ano passado estava 1,1 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais.

"A Austrália teve o ano mais quente e seco já registrado, em 2019, estabelecendo o cenário para os enormes incêndios florestais que foram tão devastadores para pessoas e propriedades, vida selvagem, ecossistemas e meio ambiente", disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

"Infelizmente, esperamos ver muito clima extremo ao longo de 2020 e nas próximas décadas, alimentado por níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera." O ano mais quente já registrado foi 2016, disse a OMM, devido ao impacto do aquecimento de um forte evento de El Niño. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.