2010 é o segundo ano mais quente já registrado, revela estudo

Média do ano passado perde apenas para 1998, em medição histórica iniciada em 1850

REUTERS

19 Janeiro 2011 | 12h05

O ano passado foi o segundo mais quente da história, atrás apenas de 1998 - num histórico iniciado em 1850 -, disse o diretor da Unidade de Pesquisa Climática da Grã-Bretanha, Phil Jones, nesta quarta-feira, 19.

 

A unidade de pesquisa britânica, que analisa dados em conjunto com o Met Office Hadley Centre, é um dos três principais grupos do mundo que acompanham o aquecimento global. Na semana passada, os outros dois, ambos sediados nos Estados Unidos, afirmaram que 2010 havia empatado com 2005 na posição de ano mais quente já registrado.

 

Os dados britânicos mostraram que todos os anos da década passada, exceto 2008, estão entre os dez mais quentes desde 1850, o que sinaliza uma tendência de intensificação do aquecimento associada às emissões humanas dos gases-estufa, afirmou Jones à Reuters.

 

O combate à mudança climática sofreu um revés com a crise financeira, que reduziu o financiamento a projetos de energia renovável e atrapalhou as iniciativas para se chegar a um novo acordo climático global para substituir, em 2013, o Protocolo de Kyoto.

 

Os novos dados parecem reforçar as evidências de uma mudança climática provocada pelo homem, depois que o vazamento de e-mails, incluindo alguns da unidade de pesquisa britânica, ter mostrado que em 2009 climatologistas "editaram" algumas dúvidas.

 

Os erros cometidos pelo painel climático da Organização das Nações Unidas (ONU) também exageraram a velocidade do degelo nas geleiras do Himalaia.

 

O ano passado ficou 0,498 grau Celsius acima da média do período de 1961 a 1990, indicaram os dados da Unidade de Pesquisa Climática britânica e do centro Hadley, em comparação com 0,517 grau de 1998. O ano mais próximo de 2010, 2005, estava 0,474 grau mais quente que a média de longo prazo.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTEANOQUENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.