163 novas espécies são descobertas no sudeste aisático

Entre os animais e plantas encontrados estão um sapo com dentes e um lagarto-leopardo

AP,

25 Setembro 2009 | 15h04

Foto: Efe

 

BANGCOC - Um lagarto com manchas semelhantes às de um leopardo e um sapo com dentes, que come pássaros, estão entre as 163 novas espécies descobertas no ano passado na região do rio Mekong na Ásia, disse o grupo ambientalista WWF nesta sexta-feira, 25.

 

A organização afirmou que cientistas descobriram, em 2008, 100 plantas, 28 peixes, 18 répteis, 14 anfíbios, dois mamíferos e um pássaro na região. São cerca de três espécies por semana que se somam às 1.000 novas espécies catalogadas entre 1997 e 2007, afirmou o grupo.

 

"Depois de milênios escondidas, essas espécies estão agora finalmente sob os holofotes e há claramente mais descobertas a serem feitas", disse Stuart Chapman, diretor do programa Grande Mekong da WWF.

 

Pesquisadores que trabalham para a WWF alertaram que os efeitos da mudança climática, incluindo secas e enchentes, ameaçam a diversidade desse hábitat. Isso tudo além das ameaças tradicionais como a poluição e o desmatamento.

 

"Algumas espécies vão poder se adaptar à mudança climática, muitas não vão, potencialmente resultando em extinções numerosas", disse Chapman. "Espécies raras, ameaçadas e endêmicas como aquelas descobertas agora são especialmente vulneráveis pois a mudança climática vai restringir ainda mais aos hábitats que já são restritos."

 

Foto: AP

 

Entre as estrelas da nova lista está o sapo com dentes da Tailândia. Chamado pelo nome científico Limnonectes megastomias, o sapo espreita pássaros e insetos ao longo de córregos. Cientistas acreditam que ele use seus dentes no combate a outros machos.

 

Outra espécie pouco comum encontrada foi o lagarto-leopardo de Cat Ba encontrado na ilha de Cat Ba no Vietnam. Chamado pelo nome científico de Goniurosaurus catbaensis, o lagarto não foi incluído no relatório da WWF porque sua descoberta ainda não foi publicada em um jornal científico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.