Fabio Schunck/Divulgação
Fabio Schunck/Divulgação

15 novas espécies de aves são descritas na Amazônia

Publicação conjunta de quatro grupos de pesquisadores traz a maior quantidade de espécies inéditas de uma vez só desde 1871

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

17 Julho 2013 | 02h07

De uma tacada só, 15 novas espécies de aves foram descritas na Amazônia brasileira em uma edição especial do Handbook of the Birds of the World, uma espécie de enciclopédia com todas as aves conhecidas do mundo.

Lançada no fim de junho, a publicação traz as descobertas que quatro grupos de ornitólogos do Brasil e do exterior fizeram nos últimos anos.

A quantidade surpreende. Desde 1871 não eram descritas tantas espécies de aves brasileiras de uma vez só, em uma única obra. Não é à toa. Apesar de na Amazônia não ser raro de vez em quando descobrir um bicho novo, as aves são o grupo animal mais bem conhecido em todo o mundo. Então não é de se esperar tantas novidades.

Foi justamente para causar esse choque que os pesquisadores resolveram juntar seus esforços e fazer uma publicação conjunta. "A verdade é que, ao publicar uma por uma, a informação passa por baixo do radar. E ninguém percebe o grande quadro que é: estamos em um momento muito especial na Amazônia, uma fase explosiva de descobertas", afirma o ornitólogo Mário Cohn-Haft, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.

"Nossa ideia foi passar o recado de que a Amazônia ainda tem muita coisa nova", diz. Segundo ele, mais de uma dezena de novas aves deve ser descrita nos próximos anos.

Os achados. A maior parte dos achados ocorreu na porção entre o sul do Pará, o norte de Mato Grosso e o sudeste do Amazonas, região que inclui o chamado arco do desmatamento, o que coloca os animais em ameaça. Chama a atenção o caso de cinco espécies que foram encontradas em um local nunca antes estudado, no sul do Amazonas, entre os Rios Aripuaná e Roosevelt. O local fica próximo da fronteira com Rondônia, por onde a fronteira agrícola avança. De acordo com o pesquisador Luís Fabio Silveira, do Museu de Zoologia da USP, são endêmicas dali - ou seja, não ocorrem em nenhum outro local.

"Em todo o mundo, por ano, são descobertas milhares de espécies de insetos, uma centena de peixes, mas aves são menos de uma dezena. Porque a maioria já foi detectada. Mas, se o grupo mais bem conhecido do mundo ainda traz tantas novidades na Amazônia, imagina o resto. É um alerta para usarmos a Amazônia de um modo mais inteligente", diz Silveira.

Confira abaixo algumas das espécies descobertas:

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.