Bela Gil, Marcos Palmeira e o Greenpeace a favor do meio ambiente
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bela Gil, Marcos Palmeira e o Greenpeace a favor do meio ambiente

Dener Giovanini

28 Junho 2018 | 18h17

Comissão da Câmara Federal facilita a entrada de agrotóxicos mais perigosos e nocivos no Brasil

Projeto de Lei 6299/02 – aprovado em uma Comissão Especial da Câmara dos Deputados no início dessa semana – conseguiu a rara proeza de juntar, sob a mesma opinião, órgãos governamentais e grande parte da sociedade civil organizada. Todos, com exceção da banda fundamentalista da bancada ruralista, foram unânimes em condenar o parecer do deputado Luiz Nishimori (PR-PR), que atuou fortemente para aprovar o seu relatório.

Artistas como Marcos Palmeira, Bela Gil e Zezé Polessa, além de ONGs como o Greenpeace, se uniram a profissionais de saúde, técnicos e cientistas de instituições como a ANVISA, para condenar a flexibilização na importação e uso de venenos na agricultura brasileira. Em Nota Técnica sobre o PL 6299/02, a ANVISA faz um grave alerta:

As principais propostas do PL enfraquecerão o sistema regulatório de agrotóxicos, componentes e afins, prejudicando de forma significativa a qualidade, eficiência e efetividade do controle dos agrotóxicos e afins, tornando ineficiente a missão do Sistema Único de Saúde de proteger a saúde da população e intervir nos riscos decorrentes da produção e do uso de produtos sujeitos à vigilância sanitária.

O relator do projeto afirma que mudar a legislação é necessário para a modernização da agricultura, e chega a comparar os agrotóxicos com medicamentos. “Queremos modernizar, estamos apresentando uma das melhores propostas para o consumidor, para a sociedade e para a agricultura, que precisa dos pesticidas como precisamos de remédios”. O deputado Nishimori ao mesmo tempo que atua para “modernizar a agricultura brasileira”, tenta se defender no STF de acusações que vão de peculato a lavagem de dinheiro, que teriam provocado prejuízos aos cofres públicos de R$ 2,8 milhões por meio da contratação de funcionários fantasmas.

Apesar dos robustos e sérios estudos que comprovam os danos sociais e ambientais que o PL do Veneno trará ao Brasil – caso seja definitivamente aprovado pelo Congresso Nacional – é lamentável constatar que existem pessoas que, na sanha de prestar lealdade a uma esdrúxula fama de politicamente incorretas, incorrem no erro de desmerecer a preocupação daqueles que buscam alertar a sociedade sobre a ameaça que paira sobre todos nós.

Eis mais um nítido caso de total desprezo à saúde do povo brasileiro, praticado por aqueles que só visam saciar a sua inesgotável sede de lucro e poder. Para uma parcela do agronegócio, mais vale dólares no bolso do que câncer nos estômagos alheios.

O agro pode ser pop, mas por causa de alguns corre o risco de ficar podre.

Bela Gil (arquivo pessoal)