As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

AS VERDADES INCONVENIENTES DA RIO+20

Dener Giovanini

23 Junho 2012 | 13h33

Se os resultados da Rio+20 não foram satisfatórios, não foi por culpa da reunião em si e muito menos por causa da atuação do governo brasileiro. A culpa é da expectativa daqueles que esperavam mais do que um encontro como esse pode produzir. O documento final da conferência contém algumas medidas e avanços importantes, porém, se ele ficará para a história apenas como mais um amontoado de boas intenções, só o tempo irá mostrar. Assim como na Eco92, os delegados das comitivas estrangeiras estão retornando aos seus países cabisbaixos e com a sensação de que não foram eficientes como gostariam. Esse sentimento também marcou o fim da conferência de 20 anos atrás.

A vilã da história, mais uma vez, foi a economia global. E ao contrário do que alguns ambientalistas querem fazer crer, o momento econômico na Europa, foi sim, uma barreira importante para que algumas propostas mais ousadas fossem colocadas de lado. Os investimentos necessários à implementação da tal “economia verde” são grandes, e a maior parte dos países não consegue vislumbrar uma fonte de financiamento estável, que promova a erradicação da pobreza e a criação de mecanismos de produção mais limpos e eficientes. Economia e meio ambiente são indissociáveis. Políticas econômicas irresponsáveis podem arrasar o meio ambiente. Políticas ambientais equivocadas podem destruir a economia. Portanto, se engana quem afirma que as crises econômicas são meras desculpas para se adiar um compromisso mais forte com a saúde do planeta. Realmente não são.

Se a cúpula governamental, reunida no Riocentro, não conseguiu chegar afinada a uma solução de consenso, a Cúpula dos Povos – ou encontro das ONGs no Aterro do Flamengo – também não conseguiu apresentar propostas convincentes e viáveis para resolver os desafios mundiais. Fora as manifestações teatrais de sempre – e o palco para os oportunistas ambientais de plantão – as ONGs só conseguiram produzir um documento lamurioso, inócuo e sem importância. Mais uma vez falou-se muito e se fez pouco. Se o tempo passa para os governos, também passa para os movimentos sociais. De 1992 até hoje, foram vinte anos de manifestações coloridas, com muita tinta na cara, coletes ministeriais e cartazes apocalípticos nas mãos. E o resultado todos conhecem: o mundo não melhorou.

A ministra do Meio Ambiente do Brasil, Izabella Teixeira, fez duras críticas ao movimento ambientalista durante um dos eventos paralelos da Rio+20. Na sede do BNDES, onde participava de um debate junto com autoridades estrangeiras, a ministra foi interrompida grosseiramente por uma manifestante, que aos gritos de que o “Brasil não era um país democrático”, tentou acusar o governo brasileiro pelo fracasso das negociações. Recebeu (e muito bem recebido) o troco da ministra, que numa demonstração de extrema confiança e certeza do que falava, expôs claramente o vazio e a irracionalidade desse tipo de discurso.

Ao contrário de alguns jornalistas, que só publicaram um pequeno trecho (o que lhe interessava, é óbvio) do vídeo do embate da ministra, posto na íntegra o registro da discussão:

[kml_flashembed movie=”http://youtube.com/v/ecDq_sY1C_4″ width=”425″ height=”350″ wmode=”transparent” /]

Para o cidadão comum, que assiste estarrecido a infantilidade de parte do movimento ambiental brasileiro fica, cada vez mais, a certeza do quanto esse segmento ainda precisa amadurecer. Movimento que, representado por algumas ONGs ambientais que participaram ativamente dos oito anos do governo do ex-presidente Lula, ajudaram, e muito, a construir uma história de retrocessos ambientais. Muitas das vozes que hoje se levantam para bradar o mantra do desenvolvimento sustentável, se calaram ao lado da ex-ministra Marina Silva, quando ocupavam cargos na Esplanada dos Ministérios.

Definitivamente a Rio+20 não pode e nem deve ser classificada rasamente como boa ou ruim. O encontro das Nações Unidas cumpriu o seu principal objetivo: foi um espaço livre e democrático para que as nações pudessem apresentar as suas visões de presente e de futuro. Daqui pra frente, devemos continuar seguindo uma máxima que nasceu na Eco92: pensar globalmente e agir localmente. Os pensamentos globais já foram postos à mesa. Agora, é a hora da ação.

Mais conteúdo sobre:

ArtigosPolíticaSustentabilidade