George Soros, o novo arauto da economia verde?

Rodrigo Martins

20 de outubro de 2008 | 21h50

[kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/nDiX9N0p1sw” width=”425″ height=”344″ wmode=”transparent” /]

Em tempos de crise financeira global, até o megainvestidor e megaespeculador George Soros ficou verde. É o que mostra o vídeo acima, em inglês, de uma entrevista de Soros ao jornalista americano Bill Moyers.

O húngaro naturalizado americano Soros está promovendo seu mais recente livro “The New Paradigm for Financial Markets: The Credit Crisis of 2008 and What It Means”, que será lançado no Brasil nas próximas semanas. No livro, já defende “novos paradigmas” para a retomada da economia global. “Os negócios verdes podem ser o novo motor da economia mundial”, diz Soros, na entrevista.

Ao ser questionado sobre o que é preciso fazer para combater a atual crise financeira, Soros disse que, além de lidar com o rombo das hipotecas e recapitalizar os bancos, é preciso investir em soluções para o aquecimento global. Como reduzir o consumo, diminuir a dependência do petróleo e apostar em uma matriz energética mais limpa.

“Nos últimos 25 anos o motor da economia mundial tem sido o consumo dos americanos, que gastaram mais do que pouparam, certo? Só que esse motor mudou. Esse motor está sendo desligado. Acabou, não pode continuar mais. Precisamos de um novo motor. E temos um grande problema, o aquecimento global, que requer muito investimento. E este pode ser o motor da economia mundial nos próximos anos.”

Com uma fortuna estimada em US$ 8,5 bilhões, ninguém pode acusar Soros de não ouvir o chamado do dinheiro. Farejador de tendências, já faz alguns anos que ele vem investindo mais na ‘economia real’ do que na financeira. Inclusive com investimentos no etanol brasileiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: