Vitória de Bolsonaro pode elevar desmatamento e comprometer até o agronegócio, diz ministro

Vitória de Bolsonaro pode elevar desmatamento e comprometer até o agronegócio, diz ministro

Edson Duarte, do Meio Ambiente, opina que, se eleito, os sinais passados por Bolsonaro de desmonte da pasta e enfraquecimento do Ibama vão levar a uma disparada do desmatamento na Amazônia; para ele, isso pode manchar a imagem do agronegócio no exterior

Giovana Girardi

05 Outubro 2018 | 19h33

Uma vitória do candidato Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República pode gerar uma sinalização positiva para os desmatadores ilegais na Amazônia, levar a uma “espécie de corrida do ouro para ver quem chega primeiro” e acabar manchando a imagem do agronegócio brasileiro no exterior.

Bolsonaro recebe documento de apoio da FPA. Ao lado dele, a presidente da frente, deputada Tereza Cristina. Crédito: Reprodução

É o que prevê o ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, com base em declarações dadas pelo candidato, por um de seus assessores e também pelo recente apoio dado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

“Em vez de passar uma mensagem de que vai combater o desmatamento ilegal, o crime organizado, ele indica que vai atacar o Ministério do Meio Ambiente (ao propor fusão com o Ministério da Agricultura), o Ibama e o ICMBio. É o mesmo que um governante dizer que vai retirar a polícia das ruas”, afirma Duarte.

“Será imediata a reação e uma retomada de crescimento do desmatamento da Amazônia. Eu temo uma espécie de corrida ao ouro para ver quem chega primeiro. Sabendo que, se ocupar ilegalmente, terá nas autoridades a complacência e a concordância e a certeza de que ninguém os incomodará.”

Em entrevista exclusiva ao Estado, Duarte defendeu que, ao apoiar isso, a bancada ruralista pode colocar em risco seu próprio negócio.

“O aumento do desmatamento pode provocar uma imagem muito negativa para o setor em âmbito internacional”, diz.

“Estamos vivendo no mundo um período de crescimento do movimento protecionista comercial. Cada país procurando meios de proteger seus negócios. Isso tudo num momento delicado da condição climática global. Esse gesto pode ser senha para aqueles que querem tirar produtos brasileiros da concorrência internacional. Aqueles que estão apostando nas ideias de Bolsonaro para o fortalecimento do setor podem estar promovendo o contrário”, opina o ministro. “Eu temo pelo ambiente, mas também pelo agronegócio brasileiro”, complementa.

Clima
Duarte cita ainda como perigosa a indicação de Bolsonaro de que pretende tirar o Brasil do Acordo de Paris. O compromisso internacional assinado por 196 países em dezembro de 2015 tem como objetivo reduzir o aquecimento global. O Brasil assumiu como meta a redução de 43% das emissões de gases de efeito estufa até 2030. Para chegar a isso, uma das principais estratégias é zerar o desmatamento ilegal da Amazônia até aquele ano.

Caberá ao próximo presidente do País estabelecer ações para cumprir essas metas.

Duarte lembra que o Brasil se ofereceu, no ano passado, como candidato a ser sede da Conferência do Clima da ONU no que vem – a COP 25. Essas reuniões, que ocorrem anualmente, são os momentos em que os países definem conjuntamente como avançar para o cumprimento do Acordo de Paris.

Nesta quinta-feira, 4, caiu o último entrave para isso, que era a não concordância da Venezuela para que País fosse a sede. Por regras da ONU, todos os países do continente tem de concordar que uma determinada nação exerça esse papel. Essa concordância veio nesta quinta.

A confirmação viria na conferência deste ano, na Polônia, em dezembro, mas, se Bolsonaro ganhar e realmente mantiver a sinalização de que vai tirar o Brasil do acordo, a intenção de sediar o evento pode cair por terra.

“Logo depois das eleições, vamos dialogar com a equipe de transição para definir a manutenção da candidatura. Vai depender da posição do candidato eleito. Se ele for reativo ao esforço mundial para conter o avanço das mudanças climáticas, entendo que o diálogo ficará dificultado”, afirma o ministro.

“Mas pretendemos mostrar como é importante para o Brasil a realização dessa conferência. Inclusive para mostrar os resultados já alcançados, que fazem do País uma nação bastante interessante para atrair investimentos de vários setores em sustentabilidade. É isso ou colocar o Brasil nas trevas como um país que agride o meio ambiente, o que pode nos deixar em uma situação difícil inclusive do ponto de vista comercial”, complementa.