Bruno Covas e prefeitos de 34 grandes cidades defendem recuperação sustentável pós-pandemia

Bruno Covas e prefeitos de 34 grandes cidades defendem recuperação sustentável pós-pandemia

Os líderes defendem que a retomada econômica não deve se basear no chamado “business as usual” – o modelo tradicional –, que, lembram eles, conduz o planeta para um aquecimento global de 3ºC ou mais até o fim do século

Giovana Girardi

07 de maio de 2020 | 19h29

Os prefeitos de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), de Curitiba, Rafael Greca (DEM), e de Salvador, ACM Neto (DEM), se uniram nesta quinta-feira, 7, a um grupo de mais 32 prefeitos de grandes cidades de todo o mundo para assumir um compromisso por uma recuperação econômica pós-pandemia do novo coronavírus que seja mais sustentável.

Na ação do grupo C40, liderado pelo ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg, os prefeitos defendem que a retomada não deve se basear no chamado “business as usual” – o modelo tradicional econômico –, que, lembram eles, conduz para um aquecimento global em média de 3ºC ou mais até o fim do século.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Crédito: Governo de SP

Os líderes, que respondem por cidades que juntas têm mais de 750 milhões de habitantes (como Nova York, Boston, Bogotá, Hong Kong, Lisboa, Londres e Santiago), disseram que a ambição não deveria ser retornar ao ‘normal’. “Nosso objetivo é construir uma sociedade melhor, mais sustentável, mais resiliente e mais justa a partir da recuperação da crise da covid-19”, disseram.

Em nota divulgada pelo grupo, Covas afirmou que “o combate ao coronavírus é um desafio global e a união de autoridades é essencial para a implementação de ações que beneficiem todas as populações”. O prefeito disse que sua prioridade é salvar vidas em São Paulo e que está enfrentando a doença “com muita seriedade e transparência”. Ressaltou ainda que as “principais armas são ciência, informação correta e responsabilidade social”.

Greca disse que o “progresso real só acontece quando a inovação se torna um processo social”. Afirmou ainda que “as cidades devem usar a inovação como uma ferramenta para combater a desigualdade e se recuperar totalmente desta crise”.

O compromisso assumido pelo grupo se baseia nos princípios:

  • A recuperação não deve retornar ao “business as usual” – porque esse é um mundo a caminho de 3ºC ou mais de superaquecimento;
  • A recuperação, acima de tudo, deve ser orientada pela adesão à saúde pública e ao conhecimento científico, a fim de garantir a segurança de quem mora em nossas cidades;
  • Serviços públicos de excelência, investimento público e maior resiliência comunitária formarão a base mais eficaz para a recuperação;
  • A recuperação deve abordar questões de equidade que foram reveladas pelo impacto da crise – por exemplo, os trabalhadores que agora são reconhecidos como essenciais devem ser comemorados e compensados ​​de acordo e as políticas devem apoiar as pessoas que vivem em assentamentos informais;
  • A recuperação deve melhorar a resiliência de nossas cidades e comunidades. Os investimentos devem ser feitos para proteger contra ameaças futuras – incluindo a crise climática – e para apoiar as pessoas afetadas pelos riscos climáticos e de saúde.
  • A ação climática pode ajudar a acelerar a recuperação econômica e aumentar a equidade social, através do uso de novas tecnologias e da criação de novas indústrias e novos empregos. Isso trará benefícios mais amplos para nossos habitantes, trabalhadores, estudantes, empresas e visitantes
  • Comprometemo-nos a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance e ao poder de nossos governos municipais para garantir que a recuperação da covid-19 seja saudável, equitativa e sustentável;
    Comprometemo-nos a usar nossas vozes coletivas e ações individuais para garantir que os governos nacionais apóiem ​​as cidades e os investimentos necessários nas cidades, para proporcionar uma recuperação econômica saudável, equitativa e sustentável;
  • Comprometemo-nos a usar nossas vozes coletivas e ações individuais para garantir que instituições internacionais e regionais invistam diretamente nas cidades para apoiar uma recuperação saudável, equitativa e sustentável.

Tudo o que sabemos sobre:

aquecimento globalcoronavírusBruno Covas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.