Webcam ao vivo vai revelar cada passo de urso polar bebê

Siku, que quer dizer gelo marinho em inuíte, é visto como embaixador dos ursos polares

BBC Brasil, BBC

01 Março 2012 | 08h06

Um urso polar bebê vai aparecer ao vivo na internet duas horas por dia fazendo suas brincadeiras no Scandinavian Wildlife Park, na Dinamarca.

Siku, cujo nome quer dizer "gelo marinho" em todas as línguas faladas pelos esquimós/inuítes, nasceu em novembro e teve de ser alimentado pelos funcionários do parque, depois que sua mãe, Ilka, não produziu leite para amamentá-lo.

Agora, o bebê Siku é visto como um embaixador de todos os ursos polares, chamando atenção para a questão do aquecimento global e do derretimento do gelo ártico, sem o qual os animais não podem caçar ou sobreviver.

As últimas previsões, segundo a organização Polar Bears International, dizem que dois terços dos ursos polares do planeta vão desaparecer até a metade do século, a não ser que sejam tomadas medidas para reduzir as emissões de gás carbônico.

"Nosso objetivo com a Siku Cam (como foi batizada a câmera que vai mostrar o dia-a-dia de Siku) é que as pessoas se apaixonem por esse pequeno filhote e que ele sirva como inspiração para que elas reduzam sua pegada ecológica para ajudar a salvar o gelo ártico", diz Robet Buchanan, presidente da ONG Polar Bears International.

As organizações envolvidas no projeto dizem que algumas das medidas que todos podem tomar para ajudar a salvar os ursos polares selvagens são: reduzir o consumo de água e energia, reutilizar sacolas e garrafas, reciclar, plantar árvores, caminhar em vez de usar outros meios de transporte e usar energia limpa.

O parque diz que a câmera que vai transmitir as travessuras de Siku ao vivo (de 11 às 13h no horário brasileiro) foi montada de maneira a não atrapalhar sua rotina.

As imagens podem ser vistas nos sites www.polarbearcam.com e www.explore.org/siku

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.