Vulcão chileno Llaima entra em erupção sem causar vítimas

A atividade vulcânica acontece seis meses depois de o Llaima entrar em erupção e expelir lava

01 Julho 2008 | 15h20

O vulcão Llaima, no sul do Chile, voltou a entrar em atividade na madrugada desta terça-feira, 1º, ao lançar lava que deslizou por uma de suas encostas em direção à região de Vilcún, sem causar vítimas, informaram autoridades.   Segundo o Escritório Nacional de Emergência (Onemi, em espanhol), ligado ao Ministério do Interior chileno, a erupção do vulcão de 3.210 metros de altitude poderia resultar na remoção dos habitantes que moram nos arredores do Llaima.      A atividade vulcânica acontece seis meses depois de o Llaima entrar em erupção e expelir lava, que deslizou por mais de dois quilômetros.      Naquela oportunidade, a coluna de fumaça e cinzas se elevou até três quilômetros sobre a cratera do vulcão, situado a 76 quilômetros a leste de Temuco e aproximadamente a 700 quilômetros de Santiago, na Cordilheira dos Andes, e também afetou a cidade argentina de Neuquén, cujo aeroporto foi fechado.      As violentas explosões registradas durante a noite obrigaram centenas de pessoas a abandonar suas casas e a dormir nos abrigos do governo, que removeu, ilesos, 193 turistas que estavam na região, juntamente com oito funcionários de um parque nacional.      A diretora do Onemi, Carmen Fernández, disse hoje que o vulcão tem sido observado nas últimas semanas e que continuará em observação através da estação sismográfica em Vilcún.      Segundo o Serviço Nacional de Geofísica e Mineração chileno, desde maio de 2007, o Llaima apresenta atividade sísmica ligeiramente anômala acompanhada, esporadicamente, por pequenas emissões, principalmente de cinzas e vapor d'água.   A cronologia das erupções deste vulcão é observada desde 1640, quando foi registrada a primeira erupção.

Mais conteúdo sobre:
chile vulcão erupção andes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.