Verba contra desmatamento racha conferência climática

Sugestões variam de um mercado com créditos pelo carbono das árvores a doações e impostos

ALISTER DOYLE, REUTERS

22 Agosto 2008 | 18h48

Os 160 países participantes da conferência climática da ONU em Gana se dividiram nesta sexta-feira, 22, a respeito de como compensar os países que reduzirem o desmatamento, responsável por até 20% das emissões de gases do efeito estufa.     Veja também:  Reunião sobre efeito estufa debate metas setoriais para CO2  Negociação sobre efeito estufa precisa acelerar, diz ONU  Negociação de acordo contra efeito estufa recomeça em Gana Seria preciso reunir um fundo de bilhões de dólares, e para isso as sugestões variam de um mercado com créditos pelo carbono retido nas árvores, um aumento das doações dos países ricos e impostos sobre a navegação e as passagens aéreas, entre outros. "Para muitos países em desenvolvimento, evitar o desmatamento é a única forma de participarem do regime [de mitigação] da mudança climática e captar alguns benefícios", disse à Reuters Yvo de Boer, chefe do Secretariado de Mudança Climática da ONU, durante a conferência, que reúne 1.500 delegados entre 21 e 27 de agosto. Em 2007, uma conferência climática em Bali decidiu explorar formas para recompensar as pessoas do Terceiro Mundo que deixam as florestas intactas, evitando o agravamento do efeito estufa. A conferência de Acra discute detalhes de um plano que permita a aprovação, em 2009, de um novo tratado que substitua o Protocolo de Kyoto. "Achamos isso particularmente relevante para a África. Queremos que esse próximo regime climático beneficie a África", disse Brice Lalonde, representante da França, falando em nome da União Européia. Segundo ele, a UE está disposta a destinar ajuda extra ou desenvolver novas formas de comércio de carbono. O Parlamento europeu aprovou neste ano o leilão de 15 por cento das emissões da aviação, com os recursos destinados ao combate ao desmatamento, entre outras medidas. "Talvez vejamos uma nova alvorada para as florestas tropicais", disse Lalonde.

Mais conteúdo sobre:
CLIMA ONU CONFERENCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.