Kamran Jebreili/AP
Kamran Jebreili/AP

União Europeia dá passo importante para a proteção de tubarões

Bloco vota pela proibição do descarte do corpo do animal no mar após a retirada da barbatana

AP

22 Novembro 2012 | 15h09

BRUXELAS - A União Europeia (UE) deu um passo importante nesta quinta-feira, 22, para proteger os tubarões ao banir a prática brutal de retirar a barbatana e depois jogar o corpo do animal no mar para morrer.

O Parlamento Europeu votou, em placar que ficou 566 a 47, pela obrigação de todos os navios em águas da União Europeia, e aqueles registrados no bloco, levarem os animais para a terra com as barbatanas, assim como a comprovação de que nenhum tubarão foi jogado de volta ao mar sem ela.

A prática de remoção das barbatanas de tubarão é reflexo dos altos preços que esta parte do animal alcança na China por causa de uma sopa, uma especialidade encontrada nos banquetes dos mais ricos, e o baixo valor do resto do corpo. O consumo de barbatanas aumentou junto com a qualidade de vida da população. As barbatanas podem ser vendidas por até 700 libras.

A UE disse que cerca de 75 milhões de tubarões são mortos por causa da barbatana. Como a União Europeia é a maior exportadora, a decisão deve ter um impacto grande nas populações de tubarão.

A União Internacional para Conservação da Natureza calcula que cerca de um terço dos tubarões e raias estão sob ameaça, tanto nas água da UE quanto no resto do mundo.

Uta Bellion, da ONG Pew Environment Group, disse que "a votação do parlamento é um marco importante para o fim da prática". As nações da União Europeia devem legalizar a proibição em breve.

A UE tinha uma brecha na lei que permitia que barbatanas e corpos fossem desembarcados em portos diferentes. Agora a UE caminha para o total banimento da prática, após uma luta jurídica de seis anos.

A Espanha é o maior exportador de barbatanas. O grupo conservacionista Oceana diz que a UE é a maior potência na pesca de tubarões, com 17% do mercado.

Mais conteúdo sobre:
Tubarão barbatana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.