Bob Strong/Reuters - 14/12/2009
Bob Strong/Reuters - 14/12/2009

UE apela à China e EUA para que Copenhague tenha êxito

Bloco pede a países que assumam maiores compromissos para que acordo seja alcançado na cúpula

Efe,

16 Dezembro 2009 | 12h58

A União Europeia (UE) apelou nesta quarta-feira, 16, à China e aos Estados Unidos, os principais países que poluem, a assumir maiores compromissos para conseguir o objetivo da cúpula da ONU sobre mudança climática (COP15), em Copenhague, de limitar o aumento da temperatura a 2 graus centígrados até o final do século.

 

Veja também:

linkHugo Chávez diz que COP é reflexo da 'ditadura imperialista'

linkEmergentes se opõem a texto dinamarquês de acordo climático

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialCOP-15, passo a passo

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Da vontade desses países de reduzir suas emissões de dióxido de carbono depende "o êxito ou o fracasso dos esforços de manter o aquecimento global abaixo de 2 graus", disse o ministro do Meio Ambiente sueco, Andreas Carlgren, que fez um discurso na cúpula em nome da UE. Carlgren, cujo país preside este semestre a União Europeia, pediu que os dois utilizem "todo seu potencial" para este fim.

 

O ministro disse que a UE espera um acordo global da cúpula, mais ambicioso e com maior participação que o Protocolo de Kioto de 1997, que agora só abrange 37 países industrializados, e que seja legalmente vinculativo para todos. "Queremos um acordo construído sobre os fundamentos de Kioto. Mas o protocolo, por si só, cobre apenas um terço das emissões globais e não será suficiente para ganhar a batalha contra a mudança climática", disse.

 

A cúpula de Copenhague deve aprovar um novo acordo que suceda o Protocolo de Kioto, cujo primeiro período de compromisso expira em 2012. No entanto, a reunião de Copenhague está paralisada por causa das diferenças sobre a redução das emissões e o financiamento necessário para mitigar a mudança climática, e se adaptar aos efeitos do aquecimento global.

 

Também devido aos temores de países em desenvolvimento e emergentes, como a China, de uma "agenda oculta" para acabar com Kioto, que não fixava para estes países objetivos vinculativos. Um novo acordo global seria uma forma de incorporar os EUA, que, na época, não ratificou o Protocolo de Kioto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.