Tempestade tropical Edouard atinge costa dos EUA

A tempestade tropical Edouard atingiu a costa do Texas na terça-feira, trazendo chuvas e ventos de quase 100 quilômetros por hora, informaram meteorologistas norte-americanos. Edouard, a quinta tempestade tropical da temporada 2008 de furacões no Atlântico, estava perto da velocidade de um furacão quando atingiu a costa, disseram os meteorologistas. A tempestade vai ficar mais fraca ao se mover pela terra firme, segundo informou o Centro Nacional de Furacões em um relatório divulgado às 9h (horário de Brasília). A tempestade se formou perto de uma grande área produtora de óleo e gás, no norte do golfo do México, no domingo. Segundo o centro, cuja base fica em Miami, uma onda de tempestade de 0,6 a 1,2 metro deve atingir as áreas costeiras de Grand Isle, Louisiana e Sargent, Texas. A tempestade está pouco abaixo da velocidade de um furacão, que é de 119 quilômetros por hora. As enchentes são a principal preocupação. A tempestade pode causar acúmulo de chuvas de até 13 centímetros nas regiões costeiras de Louisiana e de até 25 centímetros em algumas partes do sudeste do Texas, segundo os meteorologistas norte-americanos. O governador do Texas, Rick Perry, declarou 17 condados áreas de desastre e mobilizou cerca de 1.200 integrantes da Guarda Nacional. Em Louisiana, o governador Bobby Jindal declarou alerta de emergência em todo o Estado. É possível que ocorram tornados isolados. Apesar do oeste de Galveston poder ter algumas enchentes, as autoridades não ordenaram o esvaziamento da área. "Nossas maiores preocupações agora são as quedas de energia e as enchentes nas ruas", disse Mark Sloan, coordenador de emergência do condado de Harris. "Mas não deve ser um problema muito grande para nós". (Reportagem adicional de Michael Christie, em Miami; Anna Driver e Erwin Seba, em Houston)

CHRIS BALTIMORE, REUTERS

05 Agosto 2008 | 12h26

Mais conteúdo sobre:
CLIMA EDOUARD

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.