ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/
ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/

Sem consenso, projeto de licenciamento 'flex' sai de novo da pauta na Câmara

Proposta que libera diversas atividades da necessidade de fazer o licenciamento ambiental é fortemente criticada pelo Ministério do Meio Ambiente e pelo Ibama, que tentam emplacar um projeto próprio de lei

André Borges, O Estado de S. Paulo

10 Maio 2017 | 12h50

BRASÍLIA – O projeto de lei que altera a Lei Geral do Licenciamento e que seria votado nesta quarta-feira, 10, pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, foi retirado de pauta. Não há nenhum consenso entre o relator do PL nº 3.729/2004, deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), que atende anseios da banca ruralista no Congresso, e o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, que tem sido pressionado por ambientalistas. 

A decisão de retirar o projeto de pauta ocorreu após uma série de troca de acusações e críticas de ambos os lados. Enquanto Mauro Pereira aguardava quórum na sala para submeter seu projeto, reclamava duramente da diretoria do Ibama e o Ministério do Meio Ambiente.

Na sala ao lado, na Comissão de Meio Ambiente, a presidente do Ibama, Suely Vaz Araújo, criticava as mudanças que foram feitas nos últimas dias por Pereira, após o Ibama e técnicos do MMA terem chegado a um consenso com os ruralistas, no dia 4 de abril, sobre o texto que seria levado à votação. A versão atual incorporou uma série de novas flexibilizações que não estavam previstas nem foram discutidas.

“Nós vamos tentar chegar a um acordo, a um consenso, nesta semana, de maneira que o projeto chegue aqui pronto para ser votado. Vamos tentar nesta semana fazer com que haja esse consenso e que a gente possa votar esse projeto na semana que vem”, disse Pereira ao anunciar que a votação do projeto seria suspensa. 

Na terça-feira, o Ministério Público Federal (MPF) emitiu uma nota de repúdio à proposta, afirmando que as mudanças propostas poderão trazer “prejuízos irreversíveis à proteção e à gestão ambiental”, por causa do excesso de flexibilização das regras.

“Os erros técnicos e jurídicos apresentados na proposta impõem o reconhecimento de que matérias de alta especificidade devem ser tratadas por aqueles que detêm um mínimo de conhecimento”, aponta o MPF. Também na terça, mais de 60 organizações ligadas a temas socioambientais lançaram o movimento #Resista, com o propósito de alertar para as mudanças propostas, violação de direitos humanos e risco à proteção ambiental.

Para o Ministério Público, um dos pontos mais controversos do projeto de lei 3.729/04 é a concessão de licenças independentemente da manifestação dos demais órgãos da administração pública que, em razão de suas atribuições legais, possam ter interesses envolvidos, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O Ibama já se manifestou publicamente contra o projeto. O Ministério do Meio Ambiente também tem procurado meios de apresentar outra proposta, apesar de a Casa Civil das Presidência da República manter seu apoio ao projeto relatado pelo deputado Mauro Pereira (PMDB-RS).

O projeto de lei 3729/2004 cria a possibilidade de haver o “licenciamento trifásico”, reunindo em uma única autorização as três etapas atuais do processo, que inclui licença prévia, de instalação e de operação. Estabelece ainda prazos curtos para que os órgãos ligados ao licenciamento se manifestem, entre eles o tempo máximo de quatro meses para que o Ibama emita, por exemplo, a chamada licença ambiental única (LAU), nos casos em que esta puder ser aplicada.

Na semana passada, a Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema) decidiu apoiar publicamente um projeto de lei que altera profundamente o processo de licenciamento ambiental do País, ao flexibilizar a emissão de licenças e abrir florestas protegidas para exploração minerária, projetos de infraestrutura e agricultura.

Em carta pública, a Abema apoiou o projeto, sob a justificativa de que o projeto incorporou “complementações sugeridas pelas autoridades licenciadoras associadas” e que, nos últimos dias, o governo federal decidiu apoiar a proposta. Resta saber a que governo federal se refere a Abema.

Por trás do interesse da associação, dizem agentes do governo federal, está o objetivo de atrair processos de licenciamento para a alçada dos Estados, o que o projeto de Mauro Pereira efetivamente faz, gerando assim uma disputa para atrair projetos de empresas. Estados com licenciamento mais fácil atrairiam mais empreendimentos. Dessa forma, o licenciamento ambiental passaria a ser moeda de troca, reproduzindo o que já se vê nas guerras fiscais entre os Estados.

Líderes de partidos, como Ricardo Trípoli (PSDB-SP), pediram para retirar da pauta, porque houve alterações recentes no texto que não tinham sido avaliadas. O deputado Nilto Tatto (PT- SP), presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, disse que o projeto de lei defende um “libera geral” em todo o País.

Se for aprovado pela Comissão de Finanças e Tributação, o projeto de lei ainda precisa passar pela Comissão de Justiça e, depois, seguir para o plenário da Câmara. Após essa etapa, o PL deve seguir pelas comissões no Senado, até ir ao plenário da Casa. Se tiver mudanças, volta para Câmara. Se não tiver, segue para sanção presidencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.