São Paulo informatiza gestão e cadastro da fauna silvestre

Ferramenta permitirá rastreamento de animais que chegam e saem do Estado; registro de dados ainda era feito no papel

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

14 Novembro 2014 | 21h50

SÃO PAULO - A Secretaria estadual do Meio Ambiente (SMA) lançou nesta sexta-feira, 14, ferramenta inédita para gerenciar autorizações de manejo da fauna silvestre no Estado. Agora, nenhum tipo de transporte e utilização de animais silvestres em território paulista poderá ser feito sem registro no Sistema Integrado de Gestão da Fauna Silvestre (Gefau). 

A ferramenta permitirá rastrear todos os animais cadastrados em zoológicos municipais, criadouros científicos ou com fins comerciais, santuários ecológicos e nos Centros de Triagem de Animais Silvestres, gerenciados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que recebem espécies resgatadas, doadas, ou apreendidas pela fiscalização.

Segundo o coordenador de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA, Daniel Glaessel, até agora, para registrar, acessar ou alterar dados dos animais, era preciso consultar pilhas de papéis, o que tornava a gestão ineficiente. Por isso, o governo não tem dados sobre o número de empreendimentos e animais registrados no Estado. 

“Cada empreendimento tinha um processo impresso com até 20 volumes e era preciso examiná-los do começo ao fim. O Gefau terá um papel estratégico para a gestão desse sistema.”

Segundo Glaessel, a partir dos processos, a SMA já fez um pré-cadastramento dos empreendimentos, que deverá ser atualizado pelos usuários. “A partir de hoje, não se transita com animais sem o cadastro e a identificação com chips.”

No Gefau, a SMA e os usuários terão acesso informatizado ao cadastro de cada empreendimento, com dados de cada animal, localização, descrição do recinto, datas de entrada, saída e transferências. 

Para o secretário do Meio Ambiente, Rubens Rizek, o sistema será fundamental na fiscalização. Ele explica que São Paulo é o principal destino dos animais comercializados ilegalmente no Brasil.

 “Cada viatura (da Polícia Ambiental de São Paulo) tem sistema informatizado que permite georreferenciamento das ocorrências. Mas a checagem das autorizações esbarrava na burocracia do sistema. Com o Gefau, teremos acesso imediato aos dados, facilitando autuações.” 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo fauna silvestre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.