SERGIO FIGUEIREDO/ESTADAO
SERGIO FIGUEIREDO/ESTADAO

Reaproveitamento de latinhas chega a quase 100% por causa de lucro

Além da conscientização ambiental, retorno financeiro obtido pelos catadores de lixo também contribuiu, afirma o estudo do IBGE

Idiana Tomazelli e Mariana Sallowicz , O Estado de S. Paulo

19 Junho 2015 | 10h00

RIO - Quase todas as latinhas de alumínio produzidas no País são recicladas, segundo o estudo Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS) Brasil 2015, divulgado nesta sexta-feira, 19, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2012, o reaproveitamento foi de 97,9%. O resultado, no entanto, não reflete apenas a preocupação do brasileiro com o meio ambiente.

"Há uma conscientização ambiental, mas o alto aproveitamento está mais ligado ao grande retorno financeiro obtido pelos catadores de lixo", afirma Júlio Jorge Gonçalves da Costa, pesquisador da Coordenação de Recursos Naturais (Cren) do IBGE.

A pesquisa mostra ainda que o índice de reciclagem de alumínio (não apenas latas) foi de 98,3% em 2011, superior a países desenvolvidos como Japão e Estados Unidos. Além do aspecto econômico, o reaproveitamento do produto ocorre também diante da facilidade para coletar, transportar e vender o alumínio, além da disponibilidade durante todo o ano.

De acordo com o IBGE, o reaproveitamento de outros produtos também vem aumentando, mas ainda numa proporção menor do que ocorre com as latinhas. Ao todo, 59% das embalagens PET foram recicladas em 2012.

O porcentual é menor no caso das embalagens longa vida (29%), uma vez que há necessidade de separar os materiais componentes (papel, alumínio e plástico). Esse processo é caro e dificulta a reciclagem desse tipo de embalagem, explicam os pesquisadores do IBGE.

Mais conteúdo sobre:
IBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.