Ariel Palacios/AE
Ariel Palacios/AE

Relatório confirma derretimento de geleira

Após polêmica sobre Himalaia, estudo aponta aceleração do fenômeno

THE GUARDIAN

27 Janeiro 2010 | 10h16

As geleiras em todo o mundo continuam a derreter em alta velocidade e muitas delas devem desaparecer até a metade deste século, afirmou documento divulgado nesta semana pelo Serviço de Monitoramento Mundial de Geleiras (WGMS, em inglês).

 

O anúncio dos resultados do último ano do monitoramento em nove cordilheiras de quatro continentes chega em um momento em que dúvidas foram lançadas sobre o quanto os cientistas que estudam o clima teriam exagerado no que diz respeito ao derretimento de geleiras, que indica o quanto o planeta estaria se aquecendo.

 

Na semana passada, o responsável pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), o indiano Rajendra Pachauri, pediu desculpas por um parágrafo em seu relatório de 2007 que alertava para um risco “muito alto” de que os glaciares do Himalaia desapareceriam em torno de 2035. Os dados estavam errados.

 

Entretanto, o diretor do WGMS, Wilfried Haeberli, disse que os últimos resultados indicam que a maioria das geleiras continuou a derreter em taxas historicamente altas. “É menos extremo que nos anos imediatamente anteriores, mas o que realmente importa é que a tendência dos últimos dez anos mostra uma aceleração ininterrupta do derretimento.”

 

Segundo ele, as mais vulneráveis estão nos Alpes, nos Pireneus, nos Andes e nas Rochosas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.