Reino Unido sediará negociação sobre aquecimento em outubro

Encontro é tentativa de aumentar chances de acordo na Conferência sobre Mudança Climática em Copenhague

AE-DJ,

28 Setembro 2009 | 16h04

O Reino Unido vai sediar negociações sobre a mudança climática em Londres no próximo mês em uma tentativa de aumentar as chances de um acordo na Conferência sobre Mudança Climática da Organização das Nações Unidas (ONU), em Copenhague, em dezembro.

 

Veja também:

linkSem redução de CO2, Terra deve esquentar 4 graus Celsius

linkNão se pode separar economia e ecologia, diz Jeffrey Sachs

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

O Reino Unido sediará um encontro do Fórum das Maiores Economias em Londres, nos dias 18 e 19 de outubro, informou nesta segunda-feira o Departamento de Energia e Mudança Climática.

 

As negociações não serão uma etapa oficial das negociações de Copenhague, mas vão reunir representantes das 17 maiores economias, incluindo os Estados Unidos, União Europeia, China, India e Rússia.

 

Em um discurso na conferência anual do Partido Trabalhista, o secretário de Estado para Energia e Mudança Climática, Ed Miliband, alertou que o acordo de mudança climática de Copenhague está parecendo algo difícil de alcançar. "Na verdade, Copenhague está em risco. Pressões ao redor do mundo estão tornando (um acordo) cada vez mais difícil de ser bem sucedido", disse.

 

Em seu discurso, Miliband também disse que o governo vai propor uma legislação para a próxima sessão parlamentar para levantar bilhões de libras para investir em tecnologia limpa. O governo já disse que tem planos para um imposto sobre a indústria para financiar quatro programas de captura e estocagem de carbono.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global Reino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.