Reino Unido destina US$ 40 milhões para testar carros elétricos

Esquema prevê empréstimo de 340 carros por no máximo um ano a pessoas de setores sociais diferentes

BBC Brasil, BBC

23 Junho 2009 | 09h48

O governo do Reino Unido anunciou nesta terça-feira, 23, que está investindo US$ 40 milhões para financiar um teste em larga escala de tipos diferentes de carros elétricos.

 

Veja também:

link Petrobras inaugura posto para motos e carros elétricos

Os recursos serão usados para subsidiar o empréstimo de cerca de 340 carros - entre eles o MiEV da Mitsubishi e o mini E - permitindo a motoristas em oito áreas do Reino Unido testar a eficiência da tecnologia no cotidiano.

Os carros serão emprestados por períodos de seis a 12 meses para serem testados por pessoas de diferentes setores da sociedade - de famílias que levam crianças à escola a indivíduos que vão de carro ao trabalho.

O ministro dos Transportes, Andrew Adonis, disse que o plano vai ajudar o país a desenvolver tecnologia automotiva com baixa emissão de carbono.

O esquema, que envolverá empresas de geração de energia elétrica, fabricantes de veículos e universidades, está programado para começar no final do ano.

"Nós esperamos que não demore muito para que estes veículos estejam no mercado", disse Adonis, de acordo com o jornal britânico, The Daily Telegraph. "Nós queremos que o Reino Unido esteja na dianteira da tecnologia automotiva de carbono ultra-baixo, abrindo caminho para transporte que não prejudique o meio ambiente."

O repórter da BBC, Keith Adams, disse que ambientalistas receberam bem o esquema mas advertiram que os carros só não serão prejudiciais ao meio ambiente se a eletricidade que os alimenta também for gerada sob essa premissa.

No lançamento do esquema, Adonis dirigiu um carro da marca Smart e o secretário para Ciência, Paul Drayson, um Mini E, que está sendo testado em Hillingdon, no oeste de Londres.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.