Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Sustentabilidade

Sustentabilidade » Região Amazônica não consegue se recuperar da seca do ano passado

Sustentabilidade

Região Amazônica não consegue se recuperar da seca do ano passado

Estudo patrocinado pela Nasa alerta para as consequência da mudança climática na região

0

estadão.com.br,

30 Março 2011 | 09h14

SÃO PAULO - A área verde da Floresta Amazônia diminuiu após a seca recorde registrada no ano passado. A conclusão foi obtida em estudo patrocinado pela Agência Espacial Americana (Nasa). De acordo com a pesquisa, a área perdida corresponde a pouco mais de três vezes o tamanho do estado americano do Texas.

Veja também:

link Dióxido de carbono já foi responsável por várias mudanças climáticas

link Nasa adverte que os polos estão derretendo mais rápido que o previsto

Simulações feitas em computador mostraram que a sensibilidade às secas, como a ocorrida em 2010, poderá levar a uma mudança no clima, com temperaturas mais quentes e alteração nos padrões de chuva na região fazendo com que se desenvolva vegetação típica de cerrado e savana no lugar da floresta tropical. O Painel de Mudança Climática da Nações Unidas alertou para a possibilidade das secas se tornarem mais frequentes na região Amazônica no futuro.

A área afetada pela última grande seca é quatro vezes maior que a registrada na ocasião anterior, em 2005. O nível dos rios da região também foi comprometido com o ocorrido. As águas começaram a baixar em agosto e atingiram o nível mais baixo em outubro de 2010. O Rio Negro foi um dos atingidos pela seca, apresentando o menor nível de águas nos 109 anos de registros disponíveis.

O estudo foi elaborado por uma equipe de cientistas de vários países, que utilizaram imagens de satélites dos últimos 10 anos para verificar o tamanho da área verde da região, usado para verificar a "saúde" da floresta. A pesquisa será publicada na revista científica Geophysical Research Letters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.