Refrigeradores antigos viram peças de decoração

Bruno Versolato, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2009 | 17h37

SÃO PAULO - Há 14 anos, o paranaense Ernesto Nunes Machado começou a restaurar geladeiras antigas. Hoje, velhas Frigidaire da década de 1950 e Westinghouse de 1940 ganham pintura nova, cores vibrantes e passam a funcionar como novas.

 

Veja também:

especialEspecial - O Papel de cada um

linkBrasil pode ter zona morta permanente

linkDia Mundial do Meio Ambiente destaca ações individuais

linkCFC é risco para o meio ambiente em troca de geladeiras

linkNo Brasil há três centros para tratar o CFC

linkNo Brasil, dois navios e pouca pesquisa

linkValorização de aterros ofusca avanço da reciclagem no Brasil

linkPolítica Nacional de Resíduos tramita no Congresso há 18 anos

linkUma nova safra de empreendedores sustentáveis

documento Artigo - O princípio do preservador-pagador

lista Notas - Brasil é líder em energias limpas, diz ONU

blog Opinião - Múltiplas visões sobre o meio ambiente no Brasil

 

 Ernesto e suas 'galeria' de geladeiras obra de arte

 

"Quando ela chega, se está funcionando, deixamos com o motor original. Se o motor não aguenta, trocamos por um sistema totalmente novo", afirma Machado. O CFC dos modelos que chegam e precisam ter o maquinário reparado é vazado. "Geralmente é muito pouco que resta. Muitas chegam sem gás." Ter uma dessas custa entre R$ 3 mil e R$ 5 mil e encanta o dono. "Não me importo com esse negócio de CFC. Pedi que reformasse e estou feliz da vida", diz a psicóloga Ana Justino.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.