Polícia Ambiental
Polícia Ambiental

Polícia flagra extração ilegal de areia em balneário do litoral sul

Cava atingiu área de restinga e implicou supressão de Mata Atlântica em Mongaguá; 4 foram presos e multados

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2017 | 09h52

SOROCABA - A Polícia Militar Ambiental flagrou uma mineração ilegal de areia de construção, nesta quinta-feira, 29, no Balneário Arara Vermelha, em Mongaguá, no litoral sul do Estado de São Paulo. A cava para a retirada do mineral atingiu uma área de restinga e implicou supressão de Mata Atlântica, bioma protegido por lei. A clareira aberta na vegetação chegou a 5 mil metros quadrados. Quatro homens foram presos e multados em R$ 5 mil cada um pelo dano ambiental. Uma máquina retroescavadeira e três caminhões foram apreendidos. 

Entre os detidos estava o dono de uma loja de material de construção que revendia a areia retirada clandestinamente da área de proteção ambiental. A loja, na região central da cidade, foi interditada.

De acordo com o tenente Marcos Vinicius Donato, responsável pela operação, a atividade se desenvolvia havia vários meses no local. A Ambiental foi acionada depois de receber denúncias.

Os quatro suspeitos foram levados ao 2º Distrito Policial e prestaram depoimento. Eles responderão pelos crimes ambientais em liberdade.

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) aguarda o relatório da Polícia Ambiental para obrigar o comerciante a recompor a área de vegetação afetada, através de ação própria.

Itanhaém

No dia anterior, os policiais haviam flagrado extração ilegal de areia em uma área de restinga de 300 metros quadrados, no bairro Jardim Coronel, em Itanhaém, também no litoral sul. Dois homens foram detidos, uma retroescavadeira e um caminhão, apreendidos.

Mais conteúdo sobre:
Mongaguá Mata Atlântica Cetesb Itanhaém

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.