Pedaladas produzem energia em hotel em Copenhaghe

Em troca de refeição grátis, hóspedes usam bicicletas ergométricas ligadas a geradores

The Guardian

15 Abril 2010 | 12h19

Esqueça os painéis solares e os geradores de energia eólica. Um hotel que se diz um dos mais verdes do mundo encontrou uma nova fonte de energia renovável: os hóspedes.

 

A partir da semana que vem, quem se hospedar no hotel Crown Plaza Copenhagen Towers, na Dinamarca, será incentivado a dar uma passadinha na sala de ginástica e se exercitar nas novas bicicletas ergométricas que geram electricidade. Todas estão equipadas com iPhones que monitoram a quantidade de energia que está sendo produzida e que depois é repassada para as fontes do hotel. Hóspedes que produzirem 10 watts ou mais serão recompensado com uma refeição grátis.

 

O novo esquema é um projeto piloto que será executado por um ano e, se for bem sucedido, poderá ser estendido a todos os 21 hotéis Crowne Plaza, no Reino Unido.

 

"As bicicletas elétricas oferecem aos nossos hóspedes a oportunidade de entrar em forma e, ao mesmo tempo, poder ajudar o hotel", disse o gerente geral Allan Agerholm. "Será interessante ver quantos hóspedes participarão e quantidade de eletricidade gerada."

 

Conseguir uma refeição gratuita é surpreendentemente fácil. Os cálculos do hotel sugerem que o hóspede que pedalar uma bicicleta a 30 quilômetros por hora por uma hora vai produzir cerca de 100 watts de eletricidade. Ou seja, atingir a média para a refeição deve levar apenas seis minutos.

 

Os críticos podem argumentar que mesmo aqueles que se deslocam por uma hora inteira estarão fazendo apenas uma contribuição simbólica para o consumo de energia de um hotel de cidade grande - 100 watts de energia são suficientes apenas para acender uma lâmpada de 100 watts por uma hora. No entanto, o hotel procurava realmente um alvo que pudesse ser "viável" para que o máximo de pessoas se interessasse em participar.

 

O hotel, inaugurado em novembro do ano passado, está tentando zerar suas emissões de carbono. Além disso, tem o selo Green Building e a certificação Green Key. E usa um sistema de resfriamento e aquecimento com base em águas subterrâneas, além de iluminação e secadores de mão de baixo consumo energético, e está coberto de painéis solares na fachada virada para sul.

 

"Na realidade, esta não é uma forma muito prática de gerar uma quantidade útil de energia, mas eu certamente não iria criticá-lo", disse Alex Randall, um porta-voz do Centro de Tecnologia Alternativa. "Como uma lição, e um meio de engajamento público, é excelente - se você sentar alguém em uma bicicleta, pedalando forte e mostrar que o esforço é suficiente apenas para alimentar uma lâmpada ou TV, vai fazê-lo apreciar como é difícil de produzir energia e, portanto, o motivo pelo qual devemos ter cuidado para não desperdiçá-la. "

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.