Parlamento francês aprova ampla reforma da lei ambiental

A lei surge depois de meses de negociações entre ambientalistas, fazendeiros, industrialistas e burocratas

Associated Press,

23 Julho 2009 | 18h11

O Parlamento da França aprovou uma ampla reforma da legislação ambiental do país, modificando os padrões ambientais e definindo metas duras para as emissões de gases causadores do efeito estufa, enviando um sinal a outras grandes economias do mundo às vésperas da negociação de um novo tratado da ONU sobre a mudança climática.

 

Veja também:

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Legisladores em ambas as casas do Parlamento aprovaram a medida por ampla margem, com a maioria dos conservadores e da oposição socialista votando a favor. O partido Verde e os comunistas opuseram-se à lei, dizendo que ela ainda é muito tímida.

A lei diz que a França deve reduzir suas emissões de carbono a um quarto até 2050, e elevar o uso de fontes renováveis de energia a 23% do total gerado no país, o dobro do nível atual.

 

O texto afeta desde cabines   de pedágio às janelas das casas. Define metas de eficiência energética para imóveis novos ou que passem por reforma, para uma agricultura mais ambientalmente correta e para o controle de resíduos. Cria um sistema para acompanhar a saúde dos trabalhadores e a poluição.

 

A lei surge depois de meses de negociações entre ambientalistas, fazendeiros, industrialistas e burocratas, realizadas em 2007 para criar o que o presidente Nicolas Sarkozy chamou de "Neal Deal" ambiental francês.

 

As conversações foram parte da tentativa de Sarkozy de pôr a França à altura de seus vizinhos em matéria ambiental e dar um exemplo a outras nações.

 

O Partido Verde francês disse que a lei é um presente para "grandes lobbies industriais", destacando brechas que favorecem a indústria da energia nuclear.  A França é o país que mais depende de energia nuclear.

 

A lei é apenas um primeiro passo na iniciativa ambiental francesa, oferecendo apenas um quadro de referências, e os parlamentares terão de preparar medidas mais detalhadas nos próximos meses.

Mais conteúdo sobre:
efeito estufa frança aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.