Para ONU, economia verde ditará Rio+20

Alto funcionário diz que entidade busca acordo que mobilize recursos para transição de modelo; custo anual, até 2050, seria de US$ 1,3 tri

Jamil Chade, correspondente/ Genebra, O Estado de S.Paulo

02 Maio 2012 | 03h05

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, marcada para junho, terá êxito se conseguir fechar um acordo que mobilize recursos para financiar uma transição nos próximos anos do atual modelo econômico para a chamada economia verde.

O alerta é de um alto funcionário da ONU, que não quis se identificar, ao Estado. Segundo ele, está claro que a maior parte desses recursos não virá de governos, e sim do setor privado. Cálculos do Pnuma, o programa da ONU para o meio ambiente, indicam que o custo poderia ser de pelo menos US$ 1,3 trilhão por ano, até 2050.

O investimento de 2% do PIB mundial durante quatro décadas, segundo a ONU, financiará a maior revolução na estrutura da sociedade promovida pelo homem em séculos. Nenhuma área será poupada: essa transição exigirá reformas na produção industrial, agricultura, transporte, educação, no combate à pobreza e no estilo de vida dos países mais ricos.

Se o custo é alto, a ONU estima que a Rio+20 pode significar também a abertura de novas oportunidades de negócios. Nos bastidores da entidade, multinacionais, grupos privados e fundos já procuraram o secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon, para alertar que estariam prontos para anunciar investimentos importantes durante o evento no Rio de Janeiro.

Mas, para isso, alertam que precisarão obter dos governos um compromisso de como ocorrerá essa transição, quais as metas e o nível de responsabilidade de cada grupo de países.

No gabinete de Ban, a constatação é de que, duas décadas após a Conferência do Rio em 1992, o novo encontro mostrará que "o centro de gravidade" para realizar a transição para uma economia verde passou dos governos para o setor privado. "Há muito dinheiro esperando a definição de regras para ser investido na economia verde", admitiu um alto funcionário da ONU.

Diante das incertezas na economia mundial e da queda no consumo em países ricos, a estimativa é de que multinacionais estariam sentadas sobre cerca de US$ 6 trilhões a US$ 8 trilhões. Na avaliação da cúpula da diplomacia da ONU, não há dúvidas de que parte desse dinheiro migrará para oportunidades de negócios na economia verde, uma vez estabelecido o arcabouço do acordo.

"O sucesso do Rio será medido na quantidade de recursos que o setor privado conseguirá mobilizar nos próximos dois anos e como vai determinar a estrutura da economia mundial por décadas", indicou o alto funcionário da ONU.

Acordo. Diante desse cenário, a prioridade da ONU nas próximas semanas será o de convencer governos a deixar detalhes do acordo final para os dias do encontro e tentar fechar o mais rapidamente possível as grandes linhas do compromisso final. Em Genebra e Nova York, ninguém duvida de que a negociação chegou em seu momento mais crítico.

Mas o apelo de Ban a todas as missões é de que coloquem suas diferenças de lado para que haja, o quanto antes, um acordo de princípios. A esperança é de que isso crie um clima de confiança no setor privado de que a conferência terminará com pelo menos algum êxito para, portanto, anunciar seus investimentos. "Chegou o momento crítico da negociação", alertou um negociador da ONU ao Estado.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, porém, está otimista. Em conversa com um grupo de jornalistas em Genebra, há poucos dias, ele assegurou que a Rio+20 será um sucesso. "Não é exagero dizer que será a conferência mais importante da história da ONU", assegurou.

Mais conteúdo sobre:
Rio 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.