EFE/Giorgio Onorati
EFE/Giorgio Onorati

Papa pede que países respeitem compromissos pelo meio ambiente

O pontífice afirma que o primeiro passo para a proteção do meio ambiente é 'sempre um exame de consciência'

O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2016 | 17h29

O papa Francisco pediu nesta sexta-feira, 2, que os países respeitem os compromissos assumidos para proteger o meio ambiente e frear as mudanças climáticas, e que as empresas sejam responsáveis. A mensagem foi dedicada à Jornada de Oração pela Criação.

"Agora os governos têm o dever de respeitar os compromissos que assumiram, enquanto que as empresas devem fazer sua parte responsavelmente, e cabe aos cidadãos exigir que isso ocorra, e mais, que se mire a objetivos cada vez mais ambiciosos", escreveu Francisco em uma grande mensagem.

Francisco pede aos países que respeitem os objetivos do Desenvolvimento Sustentável que firmaram em setembro de 2015 ou o Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas, "que marca o difícil, mas fundamental objetivo de frear o aumento da temperatura global". 

O pontífice afirma que o primeiro passo para a proteção do meio ambiente é "sempre um exame de consciência" e reconhecer os pecados cometidos "contra a criação, os pobres e as futuras 

gerações".

"Na medida em que todos geramos pequenos danos ecológicos", estamos chamados a reconhecer nossa contribuição - pequena ou grande - na desfiguração e destruição da criação", explica.

O papa, que escreveu uma encíclica "Laudato Si" dedicada ao cuidado com o meio ambiente, denuncia novamente nesta mensagem "que o planeta continua esquentando. Em parte pela atividade humana, o ano de 2015 foi o mais quente já registrado e provavelmente o de 2016 o será ainda mais".

Ele reitera sua advertência de que a mudança climática "provoca seca, inundações, incêndios e fenômenos meteorológicos extremos cada vez mais graves"./EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Criação Desenvolvimento Sustentável

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.