Max Rossi / Reuters
Max Rossi / Reuters

Papa critica fracasso mundial em acordo climático na COP-15

Bento XVI condenou a 'resistência política' entre os líderes mundiais durante as negociações na cúpula da ONU

AE-AP, Agencia Estado

11 Janeiro 2010 | 11h23

O papa Bento XVI denunciou nesta segunda-feira, 11, o fracasso dos líderes mundiais para se chegar a um novo tratado de combate às mudanças climáticas. Segundo o pontífice, a paz mundial depende da salvaguarda responsável da criação de Deus. "Para cultivar a paz, deve-se proteger a criação!" Bento XVI realizou a advertência durante um discurso para embaixadores no Vaticano.

 

Veja também:

linkChina diz ter alcançado meta individual em linkCopenhague

Obama quer aprovar lei de mudanças climáticas nos EUA

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono 

O líder religioso criticou a "resistência política" entre líderes mundiais durante as negociações do mês passado em Copenhague. Ele disse esperar que os próximos encontros produzam mais frutos.

 

O papa lembrou que o assunto é crucial para as nações insulares e lugares como a África, onde a luta pelos recursos leva a guerras. O pontífice pediu um novo começo para os esforços agrícolas no Afeganistão e na América Latina, para que incluam a luta contra o narcotráfico.

 

Despesas militares

 

O também criticou o aumento das despesas militares e o desenvolvimento dos arsenais nucleares. Bento XVI disse que as grandes quantias de dinheiro investidas em armas "poderiam ser destinadas ao desenvolvimento dos povos mais pobres".

 

O papa defendeu um "desarmamento progressivo, que tenda a libertar o planeta de armas nucleares" e disse que "lamenta" que a produção e a exportação de armas contribuam para perpetuar conflitos e violências, como em Darfur (Sudão), Somália ou na República Democrática do Congo.

 

Bento XVI condenou o terrorismo, pediu aos iraquianos para superar as divisões e, em referência ao Irã, disse que "espera" que, através do diálogo, "sejam encontradas soluções comuns".

 

(Com agência Efe)

Mais conteúdo sobre:
ambiente papa Bento XVI acordo climático

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.