Países pequenos pedem ação climática imediata

Países da África, Caribe e Pacífico Sul afirmaram nesta terça-feira que a China e os Estados Unidos, grandes emissores de gases de efeito estufa, estavam caminhando lentamente no combate às alterações climáticas e pediram que os líderes na cúpula da Comunidade Britânica (Commonwealth) esta semana exijam uma ação imediata nas negociações climáticas globais em novembro.

MICHAEL PERRY, REUTERS

25 Outubro 2011 | 15h02

"As evidências científicas disponíveis para nós mostram que devemos agir agora", disse o primeiro-ministro de Samoa, Tuilaepa Malielegaoi, depois de uma reunião de 48 pequenas ilhas e nações em desenvolvimento em Perth.

"Esta é a mensagem que queremos dar ao mundo inteiro, que todos nós somos um", disse ele em entrevista coletiva antes da cúpula do Commonwealth, que começa na sexta-feira.

O aquecimento global deverá ser o foco do Encontro de Chefes de Governo da Commonwealth (CHOGM), antes da conferência sobre mudança climática da ONU na África do Sul a partir de 28 de novembro.

Muitos membros da comunidade são nações em desenvolvimento vulneráveis ao aumento previsto de mais secas extremas, inundações, elevação do nível dos mares e disseminação de doenças infecciosas.

Tuvalu, no Pacífico Sul, as ilhas Maldivas, no Oceano Índico, e diversas nações no Caribe temem que o aumento do nível do mar possa apaga-las do mapa.

A Austrália, que está sediando o CHOGM, disse que a existência de algumas pequenas nações depende de o mundo evitar o aquecimento global médio de dois graus Celsius.

"Se não conseguirmos fazer isso, podemos dar adeus a alguns pequenos Estados insulares", disse o chanceler australiano, Kevin Rudd.

Samoa citou diretamente a China e os Estados Unidos por fracassarem em agir a respeito da mudança climática, enquanto a Austrália observou que, embora 48 pequenos estados tenham sentido o maior impacto da mudança climática, eles representavam menos de 1 por cento das emissões.

"Dois dos maiores países (China e Estados Unidos), responsáveis por quase 40 por cento das emissões, não parecem estar próximos de seus compromissos", disse Malielegaoi.

O governo Obama protelou os esforços de estabelecer um preço para as emissões de carbono por causa da oposição política e empresarial e só vai aceitar um acordo climático mais amplo se todos os principais emissores de carbono concordarem com os passos para reduzir a poluição de gases de efeito estufa.

A China não vai assinar a menos que Washington o faça, mas promulgou metas de intensidade de carbono em toda a economia e tomou outras providências.

Mais conteúdo sobre:
CLIMA COMMONWEALTH PAISES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.